Tamanho do texto

Para ministro, reforma é único modo de conter os gastos públicos; secretário do Tesouro também se manifestou, dizendo que reforma pode ser fatiada

Eduardo Guardia classificou a reforma da Previdência como urgente
Agência Brasil/José Cruz
Eduardo Guardia classificou a reforma da Previdência como urgente



O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, definiu a reforma da previdência como medida "necessária e urgente" para conter o aumento dos gastos públicos. A declaração foi dada nesta segunda-feira (12).

Leia também: Paulo Guedes coloca tucano como secretário para articular reforma da Previdência

De acordo com o ministro, o tema é de extrema importância para o Brasil. "É muito importante priorizar os temas pela urgência que têm para o país. O que é urgente e absolutamente necessário é aprovar a reforma da Previdência ", disse.

Ele também se pronunciou a respeito das privatizações de estatais. Para Guardia, a venda de empresas do governo não vai auxiliar na questão dos gastos públicos. "Não se resolve o problema fiscal com a privatização, se resolve o problema fiscal enfrentando o problema do gasto”, afirmou.

Além de reduzir os gastos públicos, o Eduardo Guardia disse que a reforma tem o objetivo de fazer “justiça social, porque hoje existem regras desiguais” para os setores público e privado.

Na terça-feira (11), em uma entrevista à rádio CBN , o ministro afirmou que, caso a reforma não saia do papel no ano que vem, será necessário aumentar os impostos . "Com a reforma [da Previdência], o País vai crescer mais, de forma sustentada e em benefício da população. Sem a reforma, a pergunta é que impostos vamos aumentar para resolver o problema fiscal . Temos desequilíbrio entre receitas e depesas. Ou corta despesa ou aumenta a receita [através da elevação de tributos]", disse.

Guardia também se pronunciou sobre a simplificação do PIS/Cofins (Programa de Integração Social/Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), que já tem um projeto pronto. De acordo com ele, a possível reforma deve ficar para o ano que vem, já que agora não seria aprovada.“Isso tem que ser decidido pela nova equipe. Tem um novo governo eleito, um novo ministro indicado”, afirmou.

Secretário do Tesouro acredita que reforma da Previdência será aprovada em 2019

Para Mansueto Almeida , não há problema em
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Para Mansueto Almeida , não há problema em "fatiar" reforma da Previdência


O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse nesta quarta-feira (12) que a reforma da Previdência tem grandes chances de ser aprovada em 2019. Segundo ele, não há “problema algum” que ela seja "fatiada", hipótese sugerida pelo presidente eleito , Jair Bolsonaro.  Almeida vai permanecer no cargo durante o próximo governo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.