Tamanho do texto

Esteves Colnago, que hoje comanda o Planejamento, será secretário geral adjunto da Fazenda no novo governo; conheça todos os nomes anunciados

Esteves Colnago, do Planejamento, ocupará o cargo de secretário geral adjunto da Fazenda, pasta que será unificada ao Planejamento e à Indústria e será comandada por Paulo Guedes
Fabio Pozzebom/Agência Brasil/Arquivo
Esteves Colnago, do Planejamento, ocupará o cargo de secretário geral adjunto da Fazenda, pasta que será unificada ao Planejamento e à Indústria e será comandada por Paulo Guedes

A assessoria de Paulo Guedes, futuro ministro da Economia no governo de Jair Bolsonaro (PSL), anunciou, neste sábado (8), os novos integrantes da equipe econômica do presidente eleito. Entre os nomes, todos masculinos, estão o de Esteves Colnago, atual ministro do Planejameto, e Marcelo Guaranys, ex-diretor-presidente da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Leia também: INSS será comandado por Guedes no 'Superministério' da Economia

Colnago ocupará o cargo de secretário geral adjunto da Fazenda, pasta que será unificada ao Planejamento e à Indústria e será comandada por Paulo Guedes . Analista do Banco Central (BC) desde 1998, Colnago é mestre em Economia pela UnB (Universidade de Brasília) e já foi secretário-executivo adjunto dos ministérios da Fazenda e do Planejamento e presidente do conselho do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Marcelo Guaranys, por sua vez, será secretário-executivo da equipe econômica de Bolsonaro. O ex-diretor-presidente da Anac é bacharel em Economia e Direito e, assim como Colnado, fez mestrado na UnB – mas em Direito Público. Atualmente, Guaranys ocupa o cargo de subchefe de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais da Casa Civil, pasta que será comandada pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) a partir de 2019.

Leia também: Gestão Bolsonaro deve apostar num avanço "passo a passo" da reforma tributária

Outro nome anunciado pela assessoria de Paulo Guedes é o de Waldery Rodrigues Júnior, que será secretário geral da Fazenda. Engenheiro formado pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), mestre e doutor em Economia pela Universidade de Michigan e pela UnB, respectivamente, Rodrigues Júnior é, desde 2016, assessor especial do Ministério da Fazenda. O futuro secretário também preside o conselho fiscal da BB-Corretora.

A assessoria de Paulo Guedes, futuro ministro da Economia no governo de Jair Bolsonaro (PSL), anunciou, neste sábado (8), os novos integrantes da equipe econômica do presidente eleito
Agência Brasil/Fabio Rodrigues
A assessoria de Paulo Guedes, futuro ministro da Economia no governo de Jair Bolsonaro (PSL), anunciou, neste sábado (8), os novos integrantes da equipe econômica do presidente eleito

A Secretaria Geral de Desburocratização, Gestão e Governo Digital será comandada por Paulo Uebel. Graduado em Ciências Jurídicas e Sociais pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) do Rio Grande do Sul, Uebel é mestre em Administração Pública pela Universidade de Columbia e especialista em liderança global pela Universidade de Georgetown. Já foi secretário municipal de gestão na prefeitura de São Paulo e diretor executivo do Instituto Millenium, fundado por Paulo Guedes para promover o liberalismo econômico .

Uebel trabalhará ao lado de Gleisson Cardoso, que será secretário geral adjunto da mesma pasta. Cardoso, hoje secretário-executivo do Planejamento, é licenciado em Matemática pela UnB e especialista em Matemática e Estatística pela UFLA (Universidade Federal de Lavras. Já foi secretário de Gestão da Política de Direitos Humanos na Secretaria de Direitos Humanos e secretário de Gestão do Ministério do Planejamento.

Leia também: Fazenda sugere revisão da política de reajuste do salário mínimo e fim do abono

O último nome anunciado a integrar a equipe de Paulo Guedes é o do economista Carlos da Costa, que será secretário geral de Produtividade e Competitividade no novo governo. Mestre e PhD pela UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles), Costa já foi diretor de Planejamento, Crédito e Tecnologia do BNDES e atuou como consultor em empresas e programas de governo, especialmente nas áreas relacionadas a desenvolvimento, produtividade e mercado de capitais.