Tamanho do texto

Boletim Focus apresentou a sexta queda consecutiva na projeção da inflação, que ficou em 3,89%; previsão do PIB registrou redução de 1,39% para 1,32%

No Boletim Focus, projeção da inflação registra seis quedas consecutivas
shutterstock
No Boletim Focus, projeção da inflação registra seis quedas consecutivas


Os analistas do mercado financeiro reduziram, pela sexta vez seguida, a projeção da inflação para 2018. De acordo com o Boletim Focus, divulgado pelo Banco Cental (BC) nesta segunda-feira (3), a estimativa é de que a inflação fique em 3,89% no final deste ano. 

Segundo a instituição financeira, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do Brasil, deve registrar 3,89% no término de 2018. O número mostra uma baixa de 0,05 ponto percentual em relação à projeção da semana passada, que era de 3,94% .

A taca está abaixo da meta de inflação estipulada pelo Banco Central para este ano, que é de 4,5%. Entretanto, o número fica dentro do limite de tolerância, que varia de 3% a 6%.

Para 2019, a projeção da inflação do Boletim Focus registrou 4,11% contra 4,12% da semana passada. Nesse ano, a meta é de 4,25%, com tolerância limite entre 2,75% e 5,75%. A estimativa para 2020 se manteve constante, em 4%, e para 2021 caiu, passando de 3,86 para 3,78%. Nesses anos, as metas são de 4% e 3,75%, respectivamente.

Além da queda na inflação, redução também foi registrada no PIB

Redução não foi registrada apenas na projeção da inflação, mas também para o crescimento do PIB
shutterstock
Redução não foi registrada apenas na projeção da inflação, mas também para o crescimento do PIB


A previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no País, também apresentou queda: nesta semana, a estimativa é de 1,32% contra 1,39% apresentados na semana passada. Na última sexta-feira (30), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou  crescimento de 0,8% no PIB do Brasil durante o terceiro trimestre de 2018, o melhor resultado deste ano.

Em um ranking com as maiores economias do mundo, feito pela Austin Rating, o crescimento brasileiro nos últimos 12 meses foi o 39º maior da lista de 44 países, empatado com a Rússia.

Para o ano que vem, a expectativa do mercado financeiro subiu de 2,50% para 2,53%. Já para 2020 e 2021, a estimativa de expansão da economia permaneceu a mesma divulgada anteriormente pelo Boletim, de  2,5%.

Outras previsões do Boletim Focus

Relatório do Banco Central fez previsões para inflação, PIB, taxa Selic e cotação do dólar
shutterstock
Relatório do Banco Central fez previsões para inflação, PIB, taxa Selic e cotação do dólar


Leia também: Investimento público no Brasil é menor do que em outros emergentes, diz FMI

Além das estimativas para a inflação e o PIB, o Boletim Focus também fez previsões para a taxa básica de juros (Selic) e a cotação do dólar. Enquanto a estimativa para a Selic permaneceu em 6,5% ao ano para 2018, a expectativa é de que fique em 7,75% em 2019 e 8% em 2020 e 2021. Já a projeção da moeda americana dólar subiu de R$ 3,70 para R$ 3,75, no fim deste ano, e passou R$ 3,78 para R$ 3,80, no término de 2019.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.