Tamanho do texto

Redução de tempo para abertura de empresas é um dos destaques do País: período caiu de 82 para 20 dias, em média, em função do sistema online

Banco Mundial divulgou, nesta quarta-feira (31), o ranking de ambiente de negócios, que mostra alavancada do Brasil
Creative Commons
Banco Mundial divulgou, nesta quarta-feira (31), o ranking de ambiente de negócios, que mostra alavancada do Brasil

O Banco Mundial divulgou, nesta quarta-feira (31), um ranking de ambiente de negócios, que avalia 190 países. O levantamento mostra o Brasil na 109ª posição, com 60,01 pontos (de zero a 100), saltando 16 posições em relação a 2017, quando estava na 125ª posição, com nota 57,05.

Leia também: FMI reduz previsões de crescimento do PIB do Brasil para 2018 e 2019

O relatório Doing Business , divulgado anualmente pelo banco, mede o impacto de leis, regulações e da burocracia no funcionamento das empresas em cada um dos 190 países estudados. O ranking de ambiente de negócios mostrou o Brasil com o maior crescimento entre os países da América Latina e do Caribe.

O presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, em comunicado, afirmou que "é fundamental que os governos acelerem esforços para criar condições que levem a iniciativa privada a florescer e as comunidades a prosperarem".

Segundo os dados divulgados, o Brasil facilitou o ambiente de negócios ao criar sistemas online para registro de empresas e, por isso, subiu tanto. No entanto, mesmo com essa subida acentuada, o Brasil segue na parte de baixo da tabela, atrás de vizinhos como Colômbia (65º) Chile (56º lugar) e México (54º lugar).

Dentre os Brics  – grupo de países de economias emergentes composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (em inglês, South Africa, por isso o S) – o Brasil é o último. Em ordem, aparecem Rússia (31º), China (46º), Índia (77º) e África do Sul (82º).

No topo da lista, permanece a Nova Zelândia, seguida por Cingapura, Dinamarca, Hong Kong e Coreia do Sul. Os Estados Unidos, que têm a maior economia do mundo, surgem na 8ª colocação, retornando ao posto ocupado em 2016 – em 2017, eram o 6º.

Entre os itens a serem avaliados, estão o número de dias gastos para que seja feita a abertura de empresas, para o pagamento de impostos, a obtenção de alvarás de construção, a conexão com a rede elétrica e o registro de uma propriedade, a obtenção de crédito e, por fim, a execução de contratos e resolução de insolvência. 

Leia também: Inadimplência de empresas bate recorde histórico em setembro, diz Serasa

Avanços e entraves para o Brasil no ranking de ambiente de negócios

Ranking de ambiente de negócios mostra ascensão do Brasil, mas relata problemas causados pela burocracia
shutterstock
Ranking de ambiente de negócios mostra ascensão do Brasil, mas relata problemas causados pela burocracia

O relatório dá destaque à redução do tempo de abertura de empresas (20,5 dias em média, ante 82 dias anteriormente) e a maior facilidade na obtenção de crédito e nas regulações do comércio internacional, muito em função das mudanças proporcionadas pela reforma trabalhista, de acordo com a avaliação do Banco Mundial.

O registro de propriedades foi o único quesito que trouxe queda de pontos. A pior colocação brasileira segue sendo o pagamento de impostos, na qual aparece na 184ª posição. A obtenção de alvarás de construção também requer melhorias, segundo a avaliação. Por outro lado, o melhor resultado geral do Brasil é no fornecimento de eletricidade .

Leia também: Banco Mundial diz ter manipulado lista de competitividade

A divulgação do relatório de 2017 foi polêmica por serem reveladas mudanças de metodologia nos índices, que haviam levado a resultados contraditórios. O Banco Mundial reconheceu o erro na divulgação do ranking de ambiente de negócios e tratou de buscar maior transparência neste ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.