Tamanho do texto

Maioria dos brasileiros quer reduzir gastos com cartão, mas um terço nem mesmo sabe quanto paga; falta de controle leva muitos ao endividamento

Valor da fatura do cartão de crédito é desconhecida por um a cada três usuários brasileiros
Torange-PT/Creative Commons
Valor da fatura do cartão de crédito é desconhecida por um a cada três usuários brasileiros

A Confederação de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) realizaram pesquisa referente ao mês de agosto deste ano com usuários de cartão de crédito. Foi constatado que um a cada três não sabe o valor da fatura do mês anterior.

Leia também: Número de negativados cresce 3,9% e chega a 62,4 milhões no Brasil em setembro

O Indicador de Uso do Crédito mostra que os atrasos no pagamento podem custar caro para o usuário e comprometer os orçamentos. Ainda assim, 33% (um terço) dos usuários pesquisados alegaram desconhecer o valor da fatura de agosto, mês que antecedeu a pesquisa.

Além disso, aproximadamente 25% entraram no rotativo , que é quando o usuário paga somente o valor mínimo da fatura e depois é cobrado com juro muito maior – superior a 200% ao ano. Cerca de 74% dos entrevistados pagaram o valor cheio da fatura, percentual que cai para 64% nas classes C e D.

Leia também: Apenas 31% dos brasileiros são consumidores conscientes, revelam CNDL e SPC

Segundo especialistas, não ter controle do orçamento provoca desorganização e gera bolas de neve que, em muitos casos, pode levar à necessidade de renegociação de dívidas que levam meses para serem quitadas, comprometendo as contas por mais tempo. 

O estudo mostrou que, dentre os usuários que fizeram empréstimos e financiamentos, metade atrasou parcelas da dívida em algum momento, sendo que 21% ainda estão com prestações pendentes. Quatro em cada dez consumidores (42%) recorreram a algum crédito em agosto, número que se manteve próximo da média dos últimos 12 meses.

Mais de a metade dos consumidores têm dificuldades para arrumar crédito (52%), enquanto outros 21% disseram não achar fácil nem difícil e 10% acham simples. Nas classes mais baixas, novamente, o entrave é maior. Nas classes C e D, as dificuldades atingem 56%.

A maioria dos entrevistados (55%) diz ter como meta reduzir o valor da próxima fatura do cartão. E as razões para querer cortar gastos são variadas: para 33%, isso é preciso devido aos altos preços do mercado; outros 30% alegaram estar desempregados, enquanto 20% se dizem endividados, 14% tiveram queda nos rendimentos e 12% querem guardar dinheiro.

A pesquisa também traz que oito em cada dez consumidores (82%) estão no limite do orçamento – 44% no 'zero a zero' e 38% no vermelho (sem recursos suficientes para arcar com os compromissos. 

Leia também: Concursos públicos da semana oferecem 7.360 vagas com salários de até R$ 24 mil

Os dados, que estudam desde o valor da fatura média até as dificuldades ou não em conseguir crédito, englobam 800 pessoas, entrevistadas em capitais das cinco regiões brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Brasília, Goiânia, Manaus e Belém. Os entrevistados tinham 18 anos ou mais, eram de ambos os sexos e de todas as classes sociais. A margem de erro da pesquisa é de 3,5 pontos percentuais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.