undefined
Reprodução
Número de negativados no Brasil cresce 3,9% em setembro e já representa 40,6% da população adulta

O número total de negativados no Brasil cresceu 3,9% no mês de setembro e chegou a 62,4 milhões de CPFs, segundo dados estimados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Prestação ao Crédito (SPC).

Leia também: Desemprego recua para 12,1%, mas falta emprego para 12,7 milhões de brasileiros

Mais de 2,2 milhões de brasileiros entraram na estatística entre o início de 2018 e setembro, mês da pesquisa, elevando de 60,2 milhões para 62,4 milhões o número de negativados no Brasil . O volume de consumidores com contas em atraso segue elevado, refletindo o quadro de incertezas e problemas das famílias brasileiras, muito em função do número de desempregados

No último mês, aumentou em 3,9% a quantidade de novos inadimplentes em relação ao mesmo período de 2017. Na comparação mensal, no entanto, houve pequena queda de agosto para setembro: variação de 0,1%, praticamente estável.

Para José Cesar da Costa, a inadimplência continua em alta no Brasil "O desemprego permanece elevado e a renda não superou os patamares anteriores à crise, prejudicando o orçamento e a capacidade de pagamento dos consumidores. Esse quadro só deve ser revertido com a melhora do mercado de trabalho, o que exige por sua vez uma recuperação econômica mais vigorosa", explica.

Entre os idosos de 65-84 anos, houve avanço de 10% de inadimplência em um ano. A maior parte dos que têm nome sujo permanece na faixa 30-39 anos (51,5% ou 17,7 milhões de pessoas).

Leia também: Pobreza extrema cresceu em 25 dos 27 estados brasileiros nos últimos quatro anos

Negativados no Brasil por região

undefined
Wikipedia
Número de negativados por região no Brasil mostra região norte com a maior concentração proporcional

A região norte, proporcionalmente, concentra o maior número de inadimplentes: 48,2% tem o CPF restrito, número que equivale a 5,8 milhões de consumidores; no Nordeste, são 42,3% dos adultos com o nome sujo no cadastro – 17,2 milhões de consumidores com restrições ao crédito. Em seguida, o Centro-oeste, que tem 5 milhões de inadimplentes; no Sudeste, o maior contingente total que é de 27 milhões (39,1% da população adulta); e no Sul o menor número de consumidores negativados por adulto: 8,4 milhões de pessoas ou 37,2%.

Outro número divulgado é o de volume de dívidas que está no nome de pessoas físicas. Em setembro, houve um crescimento de 1,5% diante dos dados do ano anterior. No volume mensal, novamente é notada queda mínima, que mostra estabilidade: 0,04%. A maior parte dos compromissos não-honrados foi contraída em bancos ou instituições financeiras, seguidas pelo comércio.

As dívidas com cartão de crédito, cheque especial e empréstimos apresentou a alta mais expressiva em setembro: 8,5% na comparação com o mesmo mês de 2017. No comércio, foi registrada queda de 6,1% dos consumidores atrasados no crediário. Em serviços básicos, como água e luz, houve queda de 1,1% na inadimplência.

Leia também: Comércio e serviços devem gerar 59 mil empregos até o fim de ano, diz CNDL

O número de negativados no Brasil  utiliza todas as informações disponíveis nas bases de dados que CNDL e SPC Brasil têm acesso. As informações se referem a capitais e interior dos 27 estados. A margem de erro é de quatro pontos percentuais e o grau de confiabilidade é de 95%.

*Com informações da CNDL/SPC Brasil

    Veja Também

      Mostrar mais