Tamanho do texto

Forte alta registrada no mercado é afetada por especulação gerada por incerteza no cenário eleitoral há menos de um mês para o primeiro turno

Cotação do dólar fechou em alta de 1,2% e atingiu o maior patamar desde a criação do Plano Real em 1994
iStock
Cotação do dólar fechou em alta de 1,2% e atingiu o maior patamar desde a criação do Plano Real em 1994

Nunca foi tão caro comprar dólar no Brasil. Com o encerramento do pregão da Bolsa de Valores às 17h dessa quinta-feira (13), a cotação do dólar fechou em alta de 1,21% e a moeda americana atingiu sua maior valorização frente ao real. Agora, quem quiser comprar um dólar comercial precisa pagar R$ 4,196.

Leia também: Crediário e cartão de crédito são os maiores vilões dos brasileiros endividados

Esse é o maior valor registrado desde a criação do Plano Real em 1994 que mudou a moeda brasileira para o atual e conhecido real depois de várias tentativas frustradas de controlar o câmbio e a inflação nacional. Com o novo patamar registrado hoje, a cotação do dólar quebra o recorde de 21 de janeiro de 2016 quando a moeda americana valia R$ 4,166.

Na máxima do dia, o dólar chegou a custar R$ 4,2046. Mas depois flutouo negativamente e fechou um pouco abaixo desse patamar. O maior valor "intradia", porém, continua sendo do dia 24 de setembro de 2015 quando a moeda americana chegou a custar R$ 4,2484. Nesta quinta-feira, no entanto, a moeda não desceu do patamar de R$ 4,1256.

Os brasileiros que precisarem comprar a moeda para viajar ou fazer compras internacionais, porém, vão ter que pagar ainda mais. Isso porque, como é de praxe, o dólar turismo fechou o dia sendo negociado em R$ 4,3634. Isso, vale dizer, sem considerar a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e das taxas cobradas pelas casas de câmbio onde normalmente os viajantes fazem a troca de moedas, diferente da Bolsa de Valores .

Leia também: Abono salarial ano-base 2017 é liberado para nascidos em setembro; confira

A forte alta se deve, em grande parte, às incertezas no cenário eleitoral. Há menos de um mês para a votação do primeiro turno, os principais institutos de pesquisa, Ibope e Datafolha, divulgaram números que mostra o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, confortável numa primeira colocação das intenções de votos enquanto o segundo lugar indica um empate técnico entre quatro candidatos: Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad (PT).

No entanto, os cenários de segundo turno mostram panoramas ainda mais incertos já que há várias simulações em que ambos os candidatos se encontram em empate técnico, ou seja, hoje não é possível prever quem será o próximo presidente e, consequentemente, qual será a agenda econômica implantada pelo próximo governo.

Leia também: Petrobras reajusta novamente preço da gasolina em 1,02% e bate novo recorde

Vale dizer, porém, que muitos bancos de investimento tem realizado suas próprias pesquisas internamente, sem caráter oficial e sem intenção de divulgá-las. Pelo contrário, as informações coletadas pelas instituições financeiras são utilizadas para que elas mesmas se antecipem a movimentos de mercado de modo que o movimento da bolsa e da cotação do dólar pode significar uma prévia de um novo cenário que ainda não foi pesquisados pelos institutos oficiais, mas que, invarivavelmente, desagradou o mercado financeiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.