Tamanho do texto

Segundo IBGE, esse é o resultado mais baixo para um mês de agosto desde 1998. Brasil também não tinha deflação desde junho de 2017. Confira

Queda na inflação de 0,09% em agosto deixa governo mais longe do centro da meta para 2018
shutterstock
Queda na inflação de 0,09% em agosto deixa governo mais longe do centro da meta para 2018

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)  divulgou nesta quinta-feira (6) o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do País, e indicou que houve deflação (queda na inflação) de 0,09% no mês de agosto.

Leia também: PIB do Brasil cresce 0,2% no segundo trimestre de 2018, aponta IBGE

A queda na inflação acontece após o IPCA ter indicado alta de 0,33% no mês de julho. Já no mês de agosto do ano passado, o IPCA registrou uma inflação de 0,19%.

Diante disso, o resultado de 0,09% negativos representa a maior queda para o período em 20 anos, já que segundo o IBGE , desde agosto de 1998, quanto o IPCA registrou taxa de -0,51%, o Brasil não via deflação tão acentuada.

Além disso, a última vez que um mês registrou inflação negativa foi em junho de 2017, quando o índice ficou negativo em 0,23%. 

Com esse resultado, a inflação acumula taxas de 2,85% no ano e de 4,19% em 12 meses, o que deixa o governo federal mais longe da meta estabelecida pela equipe econômica de 4,5% ao fim de 2018. 

Leia também: Salário mínimo deve ser de R$ 1006 em 2019, propõe governo

A boa notícia é que os 2,85% acumulados nesses oito primeiros meses do ano são maiores do que os 1,62% acumulados em igual período do ano passado, o que pode significar uma demanda maior pelo consumo de serviços e produtos e um tímido sinal de recuperação econômica.

O resultado, porém, veio abaixo da expectativa do mercado que analisam a estabilidade da economia nacional, mês a mês, e esperavam uma recuperação da atividade econômica mais rápida. De certa forma, o mercado ainda aguarda um sinal mais claro dos rumos da política econômica brasileira para os próximos anos para, quem sabe, recuperar sua capacidade de investimento e, portanto, de geração de empregos e consumo.

Já os 4,19% acumulados nos últimos 12 meses ficaram abaixo dos 4,48% acumulados nos 12 meses imediatamente anteriores. Vale lembrar que a expectativa das principais instituições financeiras medida pelo Banco Central semanalmente e divulgada pelo Boletim Focus dessa semana indicou uma  queda na inflação  de 4,17% para 4,16% ao fim de 2018.

Leia também: Mercado reduz estimativa da inflação para 4,16% e a do PIB para 1,44%, diz Focus

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.