undefined
shutterstock
Valor da condenação pelo trabalho degradante deverá ser revertido ao Fundo de Amparo ao Trabalhador

As empresas cariocas Telsul Serviços S.A e a Telemar Norte Leste S.A foram condenadas a pagar uma indenização por dano moral coletivo de R$ 200 mil após submeterem funcionários a trabalho degradante.

Leia também: Casa do Pão de Queijo demite funcionária por ter tomado 500 ml de água

De acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT), responsável por revelar a ação pública na 14ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, a Telsul, contratada pela Telemar, recrutou trabalhadores da Bahia para construir galerias e colocar tubos subterrâneos para cabeamento da rede de telecomunicações do Rio de Janeiro, submetendo-os a um trabalho degradante .

Durante as ações fiscais do MPT, foram encontrados 70 trabalhadores sem registro e em situação degradante. Entre outros problemas, nos locais de trabalho, não tinha água potável disponível  aos funcionários e nem local adequado para que fizessem refeições, que aconteciam na rua. Além disso, também foi constatada a manutenção de empregados em serviços externos sem portar ficha de registro e não havia reposição de uniformes danificados.

Leia também: Fiscalização resgatou 319 pessoas de trabalhos análogos à escravidão em maio

Na primeira instância, o juízo da 14ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro condenou ambas as empresas em R$ 200 mil e o direcionamento do valor para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), órgão responsável pelo pagamento de seguro-desemprego, abono salarial e de outros direitos aos empregados.

Já o Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região decidiu aumentar o valor da indenização para R$ 1,5 milhão, “com o fito de coibir tratamento violador da dignidade da pessoa humana por estas empresas e de servir de exemplo, também, a tantas outras”, apontou.

Leia também: Fiscais resgatam 17 pessoas de trabalho degradante em duas fazendas do Pará

Condenação por trabalho degradante gera novo recurso

undefined
shutterstock
TST considerou que o valor de R$ 1,5 milhão era excessivo frente ao trabalho degradante, decidindo por R$ 200 mil

Diante do novo valor estabelecido, as empresas entraram com recurso no Tribunal Superior do Trabalho (TST), e o relator, o ministro Walmir Oliveira da Costa, avaliou que o valor fixado pelo TRT foi excessivo e desproporcional.

Sendo assim, Costa e a Primeira Turma do TST, por unanimidade, decidiram que a indenização de R$ 200 mil estava de bom tamanho, uma vez que supre o ‘tripé’ dos processos trabalhista de punir, compensar e prevenir não só o trabalho degradante , mas também outras violações de direitos dos trabalhadores.

    Veja Também

      Mostrar mais