Brasil Econômico

undefined
Divulgação
Alemanha (188,6%), Itália (99,3%), Espanha (94,8%), Reino Unido (84,5%) e França (79,5%) também receberam mais remessas de dinheiro brasileiras em 2018 em relação ao ano passado

As remessas de dinheiro do Brasil para o exterior chegaram a US$ 1,063 bilhão no primeiro semestre de 2018. O valor é 13,6% maior do que o anotado no mesmo período de 2017 (US$ 935,7 milhões). É o maior valor para o período desde o início da série histórica em 1995.

Leia também: Dólar a R$ 4,00. O que fazer com a viagem à Disney?

Esse volume é estimulado pelo aumento no número de brasileiros que vão morar em outros países. Neste ano, a maior expansão foi registrada nas remessas para Portugal e Canadá, que cresceram 230,7% e 228,4%, respectivamente, em comparação com 2017.

Alemanha (188,6%), Itália (99,3%), Espanha (94,8%), Reino Unido (84,5%) e França (79,5%) também receberam mais remessas de dinheiro brasileiras em 2018 em relação ao ano passado. Entre os demais países listados pelo Banco Central (BC), houve queda de transferências apenas para os Estados Unidos (-47,9%).

Leia também: Prévia da inflação de agosto fica em 0,13%, a menor taxa para o mês desde 2010

Segundo Luiz Eduardo Citro, diretor geral da Western Union e presidente da Associação Brasileira das Empresas de Remessas, a redução das remessas para o país norte-americano é explicada principalmente pela alta do dólar. “Isso desestimula as pessoas a estudarem ou viverem lá”, diz.

Remessas do exterior para o Brasil

undefined
iStock
“Estamos em um momento de desemprego, o que reduz o número de estrangeiros vindo e aumenta o de brasileiros saindo. Quando a situação melhorar, a questão das remessas vai mudar também”, explica o presidente da Western Union

Segundo o BC, também houve aumento no número de transferências pessoais do exterior para o Brasil. No primeiro semestre deste ano, o volume alcançou US$ 1,271 bilhão, um crescimento de 12,48% em relação ao mesmo período de 2017.

Leia também: Brasil cria 47 mil empregos formais em julho, aponta Caged

A maior parte deste montante (41%, US$ 523,2 milhões) veio dos Estados Unidos, o que também é justificado pela alta da moeda americana. “Essa questão da migração é dinâmica, muda conforme a situação da economia”, explica Citro. “Estamos em um momento de desemprego, o que reduz o número de estrangeiros vindo e aumenta o de brasileiros saindo. Quando a situação melhorar, a questão das remessas vai mudar também”.


*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários