Tamanho do texto

Segundo a Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres, o Disque 180 registrou 488 denúncias de vítimas de tráfico para fins de exploração sexual

O tráfico de pessoas traz consigo uma série de outras violações, como os direitos humanos, apontou Dias Carvalho
Divulgação/ Ministério do Trabalho
O tráfico de pessoas traz consigo uma série de outras violações, como os direitos humanos, apontou Dias Carvalho

O Ministério Público do Trabalho (MPT) registrou 1.060 denúncias de aliciamento e tráfico de trabalhadores no País entre 2014 e 2017. O número foi divulgado nessa segunda-feira (30), durante a 5ª Semana do Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas no Distrito Federal.

Leia também: Fiscalização resgata trabalhadores que levavam gado a pé em percurso de 930 km

O evento pensado com uma série de atividades para refletir e debater o tema mostrou ainda o último Relatório Nacional sobre Tráfico de Pessoas , do Ministério da Justiça. O balanço constatou que, o Disque 180, da Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres, registrou 488 vítimas de tráfico para fins de exploração sexual, o que representa praticamente metade do número levantado pelo MPT.

Vale destacar ainda que o número referente às mulheres diz respeito apenas ao período entre 2014 e 2016, ou seja, um ano antes do fechamento do balanço MPT.

Leia também: Mineradora Anglo American é condenada em R$ 2 milhões por dano moral coletivo

Ainda na segunda-feira, a Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), do Ministério do Trabalho, falou sobre o registro de 224 estrangeiros resgatados do trabalho escravo . Embora o número seja considerável, o Ministério da Justiça destacou no seu último relatório que, o fenômeno de tráfico de seres humanos é problemático no País, uma vez que ele é “historicamente subnotificado”, ou seja, não é documentado devidamente pelas autoridades, fazendo com que a exploração permaneça oculta, do ponto de vista estatístico.

No encontro, o procurador e também vice-coordenador nacional de combate à exploração do trabalho escravo do MPT, Ulisses Dias de Carvalho, disse que, além de explorar a vulnerabilidade de pessoas, o trabalho degradante também é preocupante porque traz consigo uma série de outras violações, como os direitos humanos.  

O que está sendo feito para combater o tráfico de pessoas?

Muitos imigrantes são vítimas do tráfico de pessoas, mais de estrangeiros foram resgatados do trabalho esravo
Divulgação/Repórter Brasil
Muitos imigrantes são vítimas do tráfico de pessoas, mais de estrangeiros foram resgatados do trabalho esravo

No começo de julho deste ano, o Ministério da Justiça lançou um plano para combater o problema do tráfico de seres humanos. O plano prevê ações conjuntas entre diversas instituições, entre elas o MPT, com metas que deverão ser atingidas gradualmente pelos próximos quatro anos, nos seguintes eixos temáticos: prevenção e conscientização, assistência à vítima, informação, capacitação, responsabilização e gestão da política.

Leia também: Consumidora grávida pede McCafé e recebe produto de limpeza misturado à bebida

Como se trata de um problema que envolve não só brasileiros, mas também muitos imigrantes, a Polícia Federal também iniciou uma cooperação com o MPT para aperfeiçoar o monitoramento do fluxo migratório. A ideia é aprimorar a orientação das ações de combate à exploração do trabalho e ao  tráfico de pessoas por meio do cruzamento de dados de diferentes órgãos governamentais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.