Tamanho do texto

Confiança das MPEs teve queda de 1,2 ponto em relação a outubro; para 54% dos empresários, a situação da economia piorou nos últimos seis meses

Brasil Econômico

O Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário, apurado pelo Serviço de Proteção ao Crédito ( SPC Brasil ) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) atingiu 51,5 pontos em novembro. O resultado indica um leve recuo no otimismo dos empresários na comparação com outubro, quando o indicador registrou 52,7 pontos e chegou à melhor marca na série histórica, iniciada em 2015.

Leia também: BC prevê queda de inflação e taxa básica de juros ainda este ano; PIB cresce

A escala do indicador varia de zero a 100, sendo resultados acima de 50 para a prevalência de otimismo entre os micro e pequenos empresários. "Como ocorreu nos meses anteriores, ao pensar sobre o futuro do seu próprio negócio, os empresários mostraram-se muito mais otimistas do que ao avaliar o desempenho da economia como um todo, que ainda é visto como muito negativo nos últimos seis meses", afirmou o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro.

Com otimismo moderado, empresários se dividem acerca do futuro dos negócios
shutterstock
Com otimismo moderado, empresários se dividem acerca do futuro dos negócios

"De todo modo, o número de empresários que têm essa percepção vem caindo ao longo dos meses. Isso reflete o processo de retomada que a economia brasileira começa a esboçar, com a queda da inflação, redução dos juros e com o tímido resultado da atividade esperado para 2017", continuou.

Condições gerais e expectativas

O Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário é composto por dois componentes: o Indicador de Expectativas, referente as estimativas do empresariado para os próximos seis meses, e o Indicador de Condições Gerais, que mede a avaliação que fizeram dos últimos seis meses. Em novembro deste ano, o Indicador de Expectativas ficou em 60,6 pontos e o Indicador de Condições Gerais em 39,4 pontos.

"Ao longo de todos os meses, a avaliação do passado ficou bem abaixo das expectativas para o futuro. No último mês, mais de 20 pontos separaram a avaliação do passado das perspectivas futuras. Ao longo dos últimos meses, a economia exibiu alguma melhora: os juros e a inflação cederam e atividade começou a se recuperar. Mas nada disso repercutiu de modo significativo no dia a dia do micro e pequeno empresário”, analisa a economista-chefe do Serviço de Proteção ao Crédito, Marcela Kawauti.

A pesquisa mostrou que, em geral, o micro e pequeno empresário adota uma postura mais positiva ao avaliar o próprio negócio do que as condições da economia do País. Em relação ao diagnóstico dos últimos seis meses, a percepção de desempenho da economia registrou 35,5 pontos. Ao mesmo tempo, a percepção do desempenho dos negócios ficou em 43,3 pontos. As expectativas para os próximos meses, medidas pela dimensão da economia e dos negócios ficou em 55,1 pontos e 66 pontos, respectivamente. 

Futuro da economia

Segundo o levantamento, 54% dos empresários consideram que houve uma piora na economia nos últimos seis meses. Em contrapartida, 42% se mostram confiantes com os próximos seis meses. No que diz respeito ao desempenho dos negócios, 39% notaram queda na performance de suas empresas, frente a 60% que se dizem confiantes sobre o futuro.

Leia também: Celular, paraquedas e vestido de noiva: Receita fará leilão com bens apreendidos

Cerca de 44% dos que estão otimistas com a economia não sabem explicar o motivo do sentimento positivo. Outros 24% apontam a melhora de indicadores econômicos e 15% acreditam na resolução da crise política. Como ocorre no caso dos que possuem boas previsões sobre a economia, 30% dos otimistas com o próprio negócio não souberam explicar as razões para tal positividade.

Investimentos na empresa e a boa gestão dos negócios são fatores que auxiliam na empresa, para, respectivamente, 21% e 20% dos entrevistados. O indicador também mostrou que 45% dos micro e pequenos empresários estimam crescimento no faturamento do seu negócio e 40% visam estabilidade. Somente 10% do empresariado projeta queda nas vendas.

Por outro lado, há os que estão pessimistas com o futuro da economia. A questão política ganha destaque, com 41% afirmando preocupação sobre as incertezas que pairam a esfera política atualmente. Entre aqueles que observaram uma piora nos negócios nos últimos seis meses, a queda das vendas é o sintoma mais evidente, com  75%.

Leia também: Sem isenções e desonerações, deficit da Previdência seria 40% menor

O receio de que a crise econômica permaneça ainda é fonte de pessimismo de 64% dos empresários, que não se sentem confiantes com o futuro de suas companhias. A queda nas vendas é outro fator que tem influenciado na negatividade de 19% do empresariado brasileiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.