Tamanho do texto

Segundo Banco Central, que depósitos ultrapassaram retiradas em R$ 2,14 bilhões no mês passado; no acumulado do ano, saques ainda prevalecem

Brasil Econômico

Os brasileiros depositaram mais do que sacaram na poupança pelo quatro mês seguido. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (6) pelo Banco Central , a captação líquida, isto é, a diferença de depósitos e retiradas, em agosto somou R$ 2,14 bilhões. O valor é menor que o registrado em julho (R$ 2,34 bilhões), mas foi o melhor resultado para meses de agosto desde 2013, quando os depósitos superaram retiradas em R$ 4,65 bilhões.

Leia também: Produção de veículos em agosto tem melhor resultado desde novembro de 2014

Apesar do resultado positivo, as retiradas seguem registrando níveis maiores que os depósitos em 2017. No acumulado para os primeiros oito meses do ano, a caderneta de poupança registrou saque líquidos de R$ 7,81 bilhões. Mesmo assim, este foi o melhor resultado para o período desde o ano de 2014, quando a aplicação registrou captações líquidas de R$ 14,16 bilhões.

Nos 12 meses terminados em agosto, rendimento da poupança ficou em 6,90%, acima da inflação medida pelo IPCA
Shutterstock
Nos 12 meses terminados em agosto, rendimento da poupança ficou em 6,90%, acima da inflação medida pelo IPCA

Leia também: Veja como economizar para assistir a Copa do Mundo 2018 na Rússia

Até 2014, os brasileiros depositavam mais do que retiravam. Naquele ano, as captações líquidas chegaram a R$ 24 bilhões. Com o início da recessão econômica, em 2015, os investidores passaram a retirar dinheiro da caderneta para cobrirem dívidas, num cenário de queda da renda e aumento do desemprego. Em 2016, os saques superaram os depósitoso em R$ 40,7 bilhões.

Rendimento

Em agosto, a caderneta voltou a atrair recursos mesmo com a queda de juros, já que o investimento voltou a garantir rendimentos acima da inflação, que está em queda. Nos 12 meses terminados em agosto, o rendimento ficou em 6,90%. Já a inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), soma 2,46% no mesmo período, no menor nível no acumulado de 12 meses desde fevereiro de 1999.

Leia também: Varejo paulista perderá R$ 2,3 bilhões no segundo semestre devido a feriados

Apesar da queda dos juros, a poupança segue como uma opção atrativa. Hoje, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciará o novo patamar da Selic, a taxa básica de juros da economia. Para economistas, o índice deve cair para 8,25% ao ano, fazendo com que a caderneta passe a render um pouco menos. Ainda assim, segundo a Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac), o dinheiro continuará rendendo mais na caderneta que na maioria dos fundos de investimento.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas