Tamanho do texto

Para Meirelles, as medidas macroeconômicas do governo de Michel Temer surtiram efeito e devem ajudar na continuidade da recuperação econômica

Brasil Econômico

Após a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) ter apresentado alta de 0,2% no segundo trimestre, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles,  ressaltou que a retomada da atividade econômica tende a se fortalecer nos próximos meses. Com isso, 2018 começara com um ritmo econômico mais intenso.

Leia também: IBGE: PIB cresce 0,2% no 2º trimestre e chega a R$ 1,6 trilhão

Henrique Meirelles enfatiza que crescimento econômico terá ritmo mais intenso a partir do próximo ano; veja
Agência Brasil
Henrique Meirelles enfatiza que crescimento econômico terá ritmo mais intenso a partir do próximo ano; veja


 “Entraremos em 2018 num ritmo forte e constante. Continuaremos a trabalhar para garantir que essa expansão seja longa e duradoura, gerando emprego e renda para os brasileiros”, afirmou, por meio de nota, Henrique Meirelles .

A autoridade econômica ressaltou que o resultado alcançado entre abril e junho sinaliza a recuperação da confiança no País, que está deixando para trás “dois anos de retração, inflação recorde e desemprego crescente”.

Para ele, as medidas microeconômicas que foram implementadas pelo governo de Michel Temer mostram os primeiros efeitos. “As medidas que adotamos para recolocar o Brasil no caminho do crescimento sustentável começam a mostrar seus efeitos. As empresas estão voltando a contratar. A inflação baixa e a queda consistente dos juros contribuem para a retomada do consumo das famílias. O IBGE mostrou que o consumo familiar voltou a crescer depois de nove trimestres de retração”, afirmou o ministro.

Leia também: Veja 10 programas de trainee com inscrições abertas em setembro

Benefícios às famílias

Em nota, o Ministério do Planejamento ressaltou que a melhora no cenário econômico e o fim da recessão da economia beneficiará as famílias brasileiras.

 “O principal destaque foi a retomada do consumo das famílias e do setor de serviços, resultante de medidas propostas pelo governo, de aperfeiçoamento de importantes instrumentos econômicos, como a permissão de saques das contas inativas do FGTS [Fundo de Garantia do Tempo de Serviço], e de destravamento do crédito às famílias, como a redução dos juros do crédito consignado e do cartão de crédito”, avaliou o ministério.

O Ministério enfatizou que outras medidas microeconômicas vão ajudar a alavancar a economia brasileira em 2018. “Vale dizer que, nos próximos meses, outras medidas favoráveis ao crescimento econômico deverão alcançar resultados similares, garantindo a manutenção da retomada da atividade, do emprego e da renda, de maneira sólida e sustentável.”  Assim como Henrique Meirelles, o Ministério do Planejamento fala no fim da recessão econômica no País. 

Leia também: Mercado vegetariano faz empresários lucrarem alto no Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas