Tamanho do texto

Trabalho informal contribuiu para que mais de 1,4 milhão de brasileiros saíssem do desemprego nos trimestres encerrados em abril e julho deste ano

Brasil Econômico

IBGE aponta decréscimo de 0,8 ponto percentual na taxa de desocupação no trimestre encerrado em julho
iStock
IBGE aponta decréscimo de 0,8 ponto percentual na taxa de desocupação no trimestre encerrado em julho

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (31) que no trimestre móvel de maio a julho deste ano, a taxa de desocupação foi de 12,8% – resultado 0,8 ponto percentual menor se comparado ao trimestre de fevereiro a abril, quando a taxa foi de 13,6%. Frente ao mesmo trimestre móvel do ano passado, quando registrou 11,6%, houve alta de 1,2 ponto percentual.

Leia também: Planejamento diz que 1,3 milhão de beneficiários devem sacar o PIS/Pasep

A população desocupada, de 13,3 milhões, também caiu 5,1%, com 721 mil pessoas a menos, se comparada ao trimestre anterior. Entretanto, apresentou crescimento de 12,5%, com 1,5 milhão de pessoas a mais, frente ao igual trimestre de 2016. Em relação à população ocupada, referente a 13,3 milhões de trabalhadores, o IBGE apontou acréscimo de 1,6%, com 1,4 milhão de pessoas a mais. Não houve alterações frente ao mesmo trimestre do ano passado.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada – 33,3 milhões de pessoas–, permaneceu estável se comparado ao trimestre anterior, mas apresentou queda de 2,9% contra o mesmo trimestre do ano anterior, com 1 milhão de pessoas a menos. Já o número de trabalhadores sem carteira assinada, de 10,7 milhões, cresceu 4,6%, com 468 mil pessoas a mais frente ao trimestre passado. Se comparado ao mesmo trimestre do ano anterior, a alta foi de 5,6%, com acréscimo de 566 mil pessoas. O contingente de trabalhadores por conta própria, que era estimado em 22,6 milhões,  avançou 1,6%, com mais 351 mil pessoas no período analisado.

Rendimento

No que se diz respeito ao rendimento médio real habitual, de R$ 2.106, houve estabilidade frente ao trimestre anterior e ao mesmo trimestre de 2016. A massa de rendimento real habitual estimada em R$ 186,1 bilhões acresceu 1,3% na comparação com o trimestre anterior. No trimestre de maio a julho deste ano foram contabilizadas 13,3 milhões de pessoas desocupadas no Brasil. Este contingente registrou queda de 5,1%, com menos 721 mil pessoas, em relação ao trimestre de fevereiro a abril de 2017, quando a desocupação atingiu 14 milhões de brasileiros.

No confronto com igual trimestre do ano anterior, quando havia 11,8 milhões de pessoas desocupadas, a taxa subiu 12,5%, representando um adicional de 1,5 milhão de pessoas desocupadas na força de trabalho. O nível da ocupação, referente ao indicador que mede o percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar ficou em 53,8% no trimestre de maio a julho, com acréscimo de 0,6 ponto percentual se comparado aos 53,2% do trimestre anterior. A taxa foi de 54,4% frente a igual trimestre do ano passado, com retração de 0,5 ponto percentual.

Leia também: Mercado vegetariano faz empresários lucrarem alto no Brasil

Força de trabalho

A força de trabalho, abrangente a pessoas ocupadas e desocupadas, com 104 milhões, apresentou crescimento de 0,7%, com 718 mil pessoas a mais, frente ao trimestre fevereiro a abril. Se comparado ao mesmo trimestre de 2016, houve elevação de 1,6%, com acréscimo de 1,7 milhão de pessoas. Por outro lado, a população fora da força de trabalho manteve-se estável em ambos os níveis comparativos, com 64,4 milhões de pessoas.

Os empregados do setor privado com carteira de trabalho assinada, estimados em 33,3 milhões, mantiveram a estabilidade contra o trimestre anterior. Já no confronto com o trimestre de maio a junho do ano passado, houve baixa de 2,9%, com 1 milhão de pessoas a menos.  A categoria dos empregados do setor privado sem carteira de trabalho assinada foi estimado em 10,7 milhões – elevação de 4,6% frente ao trimestre anterior, com o incremento de 468 mil pessoas. Se comparado ao mesmo período de 2016, o aumento foi de 5,6%.

O contingente de empregadores foi de 4,2 milhões de pessoas, mantendo a estabilidade frente ao trimestre imediatamente anterior. No mesmo trimestre do ano anterior, o mesmo acresceu 10,8%, com 412 pessoas a mais. A categoria dos trabalhadores domésticos, estimada em 6,1 milhões de pessoas, também permaneceu estável estatisticamente em ambas as bases de comparação.

O total de ocupados, por grupamentos de atividade, mostraram elevações nas seguintes categorias: indústria geral, com 3,7% ou 425 mil pessoas a mais; comércio, reparação de veículos automotores, com 1,3% ou mais 226 mil; administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana, com 3,9% ou mais 592 mil pessoas e outros serviços, com 4,1% ou mais 175 mil pessoas. Os demais grupamentos não apresentaram variações significativas.

De acordo com o IBGE, na comparação com o trimestre de maio a julho do ano passado, houve queda no contingente dos grupamentos : construção, com baixa de 8,5% ou 623 mil pessoas a menos e agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com menos 8% ou - 749 mil pessoas. Em contrapartida, foram obsrrvados aumentos nos grupamentos de alojamento e alimentação e outros serviços, com respectivamente, 15,2% ou mais 683 mil pessoas e 7,3% ou mais 304 mil pessoas.

Leia também: Câmara conclui votação da nova taxa de juros do BNDES