Tamanho do texto

A rede norte-americana passa a vender produtos pelo Google Assistant e promete grande variedade para desbancar a gigante Amazon nos EUA; veja

A Amazon que se cuide. O grupo Walmart, considerada uma das maiores operações de varejo do mundo, informou na terça-feira (22) parceria com o Google para a venda de seus produtos online. As informações são da Agência de notícias France Presse*.

Leia também: Negócios: política global é o que mais tem influenciado as decisões dos CEOs

Walmart se une ao Google a acirra a disputa pelo consumidor com a Amazon
shutterstock
Walmart se une ao Google a acirra a disputa pelo consumidor com a Amazon


O anúncio da união foi feito pelo diretor de comércio eletrônico da rede Walmart, Marc Lore, em post no blog da varejista. O executivo informou que as vendas via Google começam em setembro. “A partir do fim de setembro, trabalharemos com Google para oferecer centenas de milhares de itens que poderão ser comprados por voz, por meio do Google Assistant ”, dizia o post.

Os produtos da varejista norte-americana passam a fazer parte do Google Express , que já comercializa itens da também gigante, só que no segmento de farmácias, Walgreen's. Segundo Lore, a estratégia para alavancar as vendas será disponibilizar o maior número de produtos o possível na plataforma.

Concorrência

 Em um mercado em que a Amazon domina boa parte do consumo, a união das duas marcas fortalece o comércio de ambas e beneficia o consumidor, que contará com maior variedade na hora de fazer as compras por meio do Google Assistant.

Leia também: Amazon anuncia a aquisição da Whole Foods por US$ 13,7 bilhões

A varejista teve crescimento nas vendas online na ordem de 60% em balanços trimestrais, porém não agradou aos investidores, pois ainda se mostra defasada perante a Amazon , que recentemente anunciou a compra da rede de supermercados Whole Foods Market. O anuncia da aquisição de uma operação de varejo física, despertou certo temor entre os concorrentes no mercado norte-americano.

Resultados

Na semana passada, ao informar o resultado do segundo trimestre, encerrado em julho, reportou queda de 23,2% em seu lucro líquido, ao atingir US$ 2,9 bilhões. A receita apresentou alta de 2,1% entre maio e junho e somou US$ 123,36 bilhões na comparação com igual período do ano anterior.

Na divulgação do balanço, a varejista informou que o lucro da operação foi impactado em US$ 788 milhões, valor esse relacionado a perdas por extinção de dívida. Em nota, mesmo com o resultado mais tímido que o esperado, o presidente da rede Walmart, Doug McMillon, ressaltou o desempenho das vendas virtuais da rede. "Os clientes têm respondido às melhorias promovidas em nossas lojas e na operação on-line, e isso refletiu em nossos resultados. Os aumentos de tráfego e o crescimento do comércio eletrônico são destaques", disse ele.

Leia também: Conheça o Favela Business, canal que incentiva o empreendedorismo nas periferias

    Leia tudo sobre: Empreendedorismo