Tamanho do texto

Empresa responsável pela fabricação das cédulas, moedas, passaportes e selos está entre os 57 projetos de concessão e privatização do governo

Edital de venda da Casa da Moeda deve ser publicado no terceiro trimestre do ano que vem
Divulgação
Edital de venda da Casa da Moeda deve ser publicado no terceiro trimestre do ano que vem

A Casa da Moeda do Brasil, criada em 1694 por Dom Pedro II, poderá ser vendida à iniciativa privada até o final de 2018. A empresa é responsável pela fabricação das cédulas e moedas, além de passaportes e selos.

Leia também: Ações da Eletrobras só serão vendidas se entrada de investidores for pequena

O Conselho do Programa de Parceria de Investimento aprovou, nesta quarta-feira (23), o início dos estudos para desestatizar a Casa da Moeda , por sugestão do Ministério da Fazenda. A previsão é de que o edital seja publicado somente no terceiro trimestre do ano que vem e que o leilão ocorra no final de 2018.

De acordo com Moreira Franco, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, o avanço tecnológico e a queda na demanda do país por cédulas e moedas têm causado prejuízos sucessíveis à empresa.

“A primeira função dela é produzir moedas, papel-moeda e moeda. Acontece que o consumo de moedas no Brasil, segundo dados levantados pelo Ministério da Fazenda, caiu. Cada vez mais nós todos usamos menos papel-moeda e menos moeda, o que significa que a saúde financeira está extremamente debilitada, com projeção, devido ao avanço da tecnologia, se debilitar ainda mais”, justificou o ministro.

Leia também: União deve arrecadar R$ 8,5 bilhões com concessões na área de transportes

Com as dificuldades financeiras da empresa, o Tesouro Nacional poderá ser acionado a cobrir déficit, comprometendo ainda mais as contas públicas, afirma Moreira Franco. “Em função dessa realidade, em função do tipo de produto que ela coloca no mercado, entendeu, corretamente, o Ministério da Fazenda, em fazer um estudo mais aprofundado, extenso, para definir o futuro dela”.

Outras concessões

A desestatização da empresa responsável pela fabricação das cédulas brasileiras é apenas um entre 57 projetos de concessão e privatização apresentados hoje pelo governo como alternativas para melhoras o caixa da União e estímulo à econômica.

Leia também: BNDES lança programa para agilizar crédito a micro e pequenas empresas

Além da Casa da Moeda, também serão colocadas em processo de desestatização, por exemplo, 14 aeroportos, 11 lotes de linhas de transmissão, 15 terminais portuários. A expectativa é que, com privatização e concessões , o governo consiga arrecadar, a partir deste ano, cerca de R$ 44 bilhões.