Tamanho do texto

Pesquisa da Fundação Getulio Vargas mostra que teatro, show e cinema são os apresentaram a maior elevação; hotéis e motéis ficaram mais baratos

Brasil Econômico

Os preços de serviços fizeram os gastos para o Dia dos Namorados subirem. De acordo com pesquisa divulgada nesta quinta-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), a inflação do setor teve alta de 6,14%, superando os 4,05% apurados pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC/FGV) entre junho de 2016 e maio deste ano.

Leia também: Taxas de juros das operações de crédito chegam a sexta queda consecutiva

Considerando serviços e presentes para a data, a variação dos preços também ficou acima da inflação , atingindo 4,78%. Entre as opções de serviços procuradas por casais, o teatro  registrou alta média de 27,14% nos preços. Em seguida, estão show (alta de 12,92%) e cinema (6,91%). De acordo com o coordenador do IPC/FGV, André Braz, o setor segue pressionando o custo de vida, ainda que tenha registrado ligeira retração na comparação com 2016, quando os preços subiram, em média, 8,06%.

Segundo coordenador da FGV, inflação observada pelo setor de serviços é reduzida por conta da baixa demanda
Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
Segundo coordenador da FGV, inflação observada pelo setor de serviços é reduzida por conta da baixa demanda

Leia também: Cerca de 38% dos brasileiros usaram saldo do FGTS para pagar dívidas em atraso

"Mesmo a gente enfrentando aumentos menores, tem muito mais gente fora do mercado do que no ano passado. Então, não adianta não subir tanto se você não tem emprego para pagar suas contas", afirmou. Segundo o coordenador, parte da infraestrutura para a prestação de serviços é ligada à elevação de preços passada ou sofre a influência de preços administrados .

Um restaurante, por exemplo, paga aluguel, luz, água e empregados e repasse a variação para os preços. No entanto, a transferência de custos é reduzida pelo fato de a demanda estar enfraquecida. "Mas algum repasse acaba passando", observa Braz. Os dados mostram ainda que o repasse dos gastos nos serviços supera a inflação e também boa parte dos reajustes salariais.

"Aquilo que sobe acima da inflação média passa a ser um desafio maior para a família ou o consumidor pagar", resume Braz. Dentro dos serviços , somente os preços de hotéis e motéis mostraram queda de 4,29%. O coordenador analisa a queda de acordo com a situação econômica do país, de desemprego e baixo poder de compra da população. Para ele, ainda que haja queda de preços, frequentar hotéis e motéis é um desafio para o orçamento de algumas pessoas.

Presentes

Em relação aos presentes mais procurados para o Dia dos Namorados , a alta foi de 2,56% em 12 meses, segundo a pesquisa do Ibre-FGV. As maiores altas foram registradas em perfume (7,28%), cinto e bolsa (4,71%) e calçados masculinos (4,40%). Em contrapartida, caíram de preço aparelhos celulares (-5,16%), câmeras  (-1,15%), roupas femininas (-0,66%) e aparelhos de DVD e Blu-ray (-0,26%).

Leia também: Empreendedorismo: veja histórias de quem já faliu e hoje fatura milhões

Apesar da queda da inflação em alguns casos, André Braz sugere evitar gastos altos e dívidas de longo prazo. "A situação econômica ainda não está muito boa. O ideal é não contrair dívidas de longo prazo, comprar tudo à vista, barganhar algum desconto, se for o caso", afirmou. Se o orçamento estiver um pouco apertado, Braz recomenda que o namorado ou namorada use a criatividade para não gastar além do que pode.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.