Brasil Econômico

O valor desembolsado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com empréstimos apresentou queda de 15% no primeiro quadrimestre deste ano. Segundo dados divulgados nesta terça-feira (16), a estatal direcionou R$ 21,4 bilhões para este fim. O resultado, segundo o banco, confirma a tendência de desaceleração do ritmo de queda registrado desde o segundo semestre de 2016.

Leia também: Brasil registra 59,8 mil novas vagas formais de trabalho em abril, aponta Caged

No primeiro semestre de 2016, as liberações haviam caído 42% na comparação com o mesmo período do ano anterios. No segundo semestre, a retração foi mais amena, de 28%. De acordo com o BNDES , o aumento das aprovações de crédito na comparação com períodos anteriores indica sinais de recuperação da economia. Em nota, o banco lembrou que os desembolsos são um retrato do passado, já que a tramitação dos pedidos de financiamento pode levar mais de um ano.

undefined
Agência Brasil
Do total de recursos liberados pelo BNDES, 37% foram para o setor de infraestrutura, que recebeu R$ 7,9 bilhões

Leia também: Advogado orienta empresas sobre como recuperar créditos bancários perdidos

As aprovações pela Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos) somaram R$ 6,7 bilhões entre janeiro e abril deste ano. O resultado representa uma elevação de 38% em relação a igual período de 2016. Quando as máquinas agrícolas, ônibus e caminhões não são considerados, as aprovações para demais bens de capital evoluíram 159% entre janeiro e abril, resultando R$2,3 bilhões.

Para a indústria de transformação, os financiamentos feitos por esta linha de crédito aprovados no primeiro quadrimestre totalizaram R$ 1,4 bilhão. O resultado representa alta de 197% na comparação com o mesmo período de 2016. Ao mesmo tempo, a linha Progeren, que oferece recursos para capital de giro de empresas, acumula R$ 2,2 bilhões liberados nos quatro primeiros meses de 2017, equivalente a crescimento de 339% em relação ao mesmo período do ano passado.

Do total de recursos liberados pelo banco, 37% foram para o setor de infraestrutura, que recebeu R$ 7,9 bilhões no período e teve participação 9% menor que no ano passado. O mesmo percentual de queda foi registrado nos desembolsos para o setor de comércio e serviços, que recebeu R$ 4,7 bilhões até abril. A indústria, por sua vez, recebeu R$ 4,5 bilhões, redução de 35% ante o acumulado entre janeiro e abril de 2016. A agropecuária ficou com R$ 4,3 bilhões em liberações, retração de 1%.

Regiões e porte das empresas

Quando as regiões do país são levadas em consideração, Sudeste e o Sul registraram queda nas liberações do banco em 2017, de 27% e 31%, respectivamente. As demais regiões apresentaram crescimento: Centro-Oeste (36%), Norte (32%) e Nordeste (14%). Em termos de volume de recursos liberados, a região Sudeste segue na liderança, com cerca de R$ 8,3 bilhões.

Leia também: Quer empreender? Veja cinco passos para planejar o início de sua empresa

Por porte de empresas financiadas, a liberações para as micro, pequenas e médias empresas somaram, até abril, R$ 8,1 bilhões, equivalente a baixa de 13% em relação ao mesmo período do ano passado. Para as grandes empresas, o valor desembolsado ficou em R$ 13,2 bilhões, recuo de 16%. Os projetos de inovação, que constituem uma das prioridades do BNDES, receberam R$ 697 milhões do banco. O número é 13% maior que o registrado nos quatro primeiros meses de 2016.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários