Brasil Econômico

O mercado aposta que o deficit primário do Governo Central, formado pelo Tesouro Nacional, a Previdência Social e o Banco Central, será maior que o estimado na meta fiscal para 2017. De acordo com a pesquisa Prisma Fiscal, realizada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, as instituições financeiras acreditam que o resultado negativo ficará em R$ 148,036 bilhões ao final deste ano.

Leia também: Vendas do comércio fecham o primeiro semestre em queda de 3%, diz IBGE

Em abril, a projeção do mercado era de R$ 147,049 bilhões. As duas estimativas de deficit estão acima do previsto pelo governo, que trabalha com resultado negativo de R$ 139 bilhões. Para 2018, a estimativa das instituições financeiras está em R$ 125,124 bilhões, contra R$ 123,606 bilhões previstos no mês passado.

Projeção do governo para o deficit primário no próximo ano passou de R$ 79 bilhões para R$ 129 bilhões, em abril
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Projeção do governo para o deficit primário no próximo ano passou de R$ 79 bilhões para R$ 129 bilhões, em abril

Leia também: Inflação do aluguel registra recuo de 0,89% em maio, aponta FGV

Você viu?

A projeção da arrecadação de receitas federais para 2017 caiu de R$ 1,344 trilhão, em abril, para R$ 1,341 trilhão, em maio. A estimativa para o próximo ano também caiu. Enquanto em abril, o mercado financeiro apostava em R$ 1,448 trilhão, em maio, o setor passou a projetar R$ 1,442 trilhão em receitas.

Como consequência, cai também a estimativa de receita líquida do Governo Central em 2017 para R$ 1,144 trilhão, contra R$ 1,146 trilhão previstos no mês passado. Para 2018, a projeção de receita líquida passou de 1,233 trilhão, em abril, para R$ 1,228 trilhão, em maio. No caso da despesa total do Governo Central, a projeção passou para R$ 1,294 trilhão. Em abril, o mercado projetava uma despesa um pouco maior, em R$ 1,295 trilhão.

Leia também: Henrique Meirelles: "emprego começará a crescer no segundo semestre"

A pesquisa apresenta também uma projeção para a dívida bruta do Governo Central, que, na avaliação das instituições financeiras, ficará em 75,44% do Produto Interno Bruto (PIB), isto é, a soma das riquezas produzidas pelo Brasil. A previsão anterior estava em 75,42% do PIB. Para 2018, a estimativa ficou em 78,50% do PIB, ante 78,53% previstos em abril.

Projeções pessimistas para 2018

No início de abril, os ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, atualizaram a meta de deficit primário para 2018. Ao considerar as projeções para o PIB e da inflação, o governo passou se mostrou mais pessimistra em relação ao próximo ano, passando a projetar resultado negativo de R$ 129 bilhões no período. Antes, a meta do deficit estava em R$ 79 bilhões.

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários