Brasil Econômico

A indústria encerrou 2016 com o menor nível de utilização da capacidade instalada desde o início da série dessazonalizada, em 2003. De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), que divulgou nesta segunda-feira (30) dados relativos a dezembro, o setor terminou o ano em 76%. O desempenho médio no ano ficou 2,0 pontos percentuais abaixo do registrado em 2015 e 4,9 p.p. abaixo do registrado entre 2003 e 2014.

LEIA MAIS: Emprego na indústria registra o pior nível desde junho, diz CNI

Para o gerente-executivo de Políticas Econômicas da CNI, Flávio Castelo Branco, o índice revela um dos motivos para recentes quedas do setor. "É indicativo de uma grande folga que existe na indústria. Há uma grande ociosidade no setor e isso é um limitador da retomada do investimento", explica.

Níveis baixos de utilização da capacidade instalada na indústria limitam a retomada do crescimento, diz CNI
Arquivo/Agência Brasil
Níveis baixos de utilização da capacidade instalada na indústria limitam a retomada do crescimento, diz CNI

LEIA MAIS: Confiança da indústria na economia sobe pela primeira vez em três meses

O levantamento também revelou que o poder de compra dos trabalhadores no setor diminiui no fim do ano passado. A massa real de salários recuou 1,6 na comparação entre os resultados de novembro e dezembro. Já o rendimento médio real do trabalhador apresentou queda de 1,2% no período. Esta foi a terceiro queda seguida do indicador. "A capacidade de compra está prejudicada não apenas pelo desemprego, como também pela inflação", disse Castelo Branco.

Você viu?

Apesar da queda, dezembro registrou alta nos índices relacionados ao emprego e às horas trabalhadas na produção. Após 23 meses seguidos de queda, o emprego cresceu 0,2% em dezembro na série dessazonalizada, que não leva em conta a inflação e as características do mês analisado. No mesmo período, as horas trabalhadas cresceram 1%.

Segundo a CNI, este foi o segundo aumento consecutivo das horas trabalhadas na produçnao. Na soma entre novembro e dezembro, o indicador acumulou crescimento de 1,8%. Para Castelo Branco, as elevações nos dois índices podem apontar para uma "possível reversão da trajetória negativa da atividade industrial, que já vem [ocorrendo] há dois anos".

Queda anual

Na comparação para o acumulado em 12 meses, os indicadores apresentaram números ainda piores. O faturamento real do setor caiu 12,1% na comparação entre 2015 e 2016 e as horas trabalhadas, 7,6%. Já os indicadores relacionados a emprego apresentaram queda de 7,5%. A massa real de salários teve queda de 8,6% de um ano para o outro e o rendimento médio do trabalhador recuou 1,2%.

LEIA MAIS: Brasil fica em penúltimo lugar no ranking de competitividade da CNI

Segundo Castelo Branco, a comparação deixa ainda mais claro que 2016 foi um ano difícil para a indústria. "A magnitude da queda [do faturamento real], na casa dos dois dígitos e em cima de quedas já têm sido grandes em anos anteriores, mostra uma grande corrosão do faturamento das empresas".

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários