Tamanho do texto

Emenda será apresentada por deputados do Podemos e será apoiada pela base de governo e pelo centrão; categoria é defendida por Jair Bolsonaro

s arrow-options
Marcos Corrêa/PR - 5.7.19
PSL fecha acordo para regra mais branda para policiais federais na Previdência

O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, fechou um acordo com deputados do centrão para abrandar as regras da aposentadoria para policiais federais na nova Previdência. A informação é da revista Veja, que afirma que a base do governo apoiará a emenda, que será apresentada por deputados do Podemos.

Leia também: Escudada por Bolsonaro, classe da segurança pública pode ser excluída da reforma

A classe da segurança pública, entre eles, os policiais federais , são uns dos mais defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro. O presidente é um entusiasta da categoria, que também foi grande base de apoio eleitoral ao capitão da reserva.

De acordo com a Veja , a nova idade mínima de aposentadoria dos policiais federais será de 53 anos para os homens, e de 52 anos para as mulheres, com pedágio de 100% sobre o tempo que falta. Ainda segundo a publicação, e expectativa é que o impacto seja de, pelo menos, R$ 4 bilhões.

Leia também: Maia critica ideia de retirar idade mínima para policiais: "Sinalização péssima"

Uma outra emenda do Podemos visava retirar a idade mínima de profissionais da área de segurança pública. A proposta, no entanto, foi criticada pelo centrão e pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Maia  explicou que vinha dialogado com o partido para que encontrem uma solução, no sentido de reintroduzir uma regra de transição para os policiais . Todas as outras categorias vão se aposentar com idade mínima. "A retirada da idade mínima era uma sinalização péssima, a construção de uma regra de transição igual ao do regime próprio é mais correta e mais justa”, disse o deputado.

Maia ainda acrescentou que a supressão da idade mínima seria encarada como um privilégio a policiais federais e rodoviários, agentes penitenciários e seguranças do Congresso. "Sem idade mínima, fica parecendo um benefício. E, no Brasil de hoje, com a crise de déficit previdenciário, não parece o melhor caminho", comentou.