Tamanho do texto

Após reunião entre lideranças e presidente do colegiado, ficou definida a ida do ministro e do secretário à Câmara; entenda tramitação e as demandas

Paulo Guedes, ministro da Economia, e Rogério Marinho, secretário especial da Previdência
José Cruz/Agência Brasil
Paulo Guedes e Rogério Marinho participarão de comissão especial da Previdência nesta quarta-feira

Uma reunião de líderes partidários com o presidente da comissão especial da Previdência definiu a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, no debate do colegiado nesta quarta-feira (8). A informação foi confirmada pela líder da oposição, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), o líder Wellington Roberto (PR-PB), e o deputado Paulinho da Força (SD-SP).

Saiba como será a tramitação da reforma da Previdência no Congresso Nacional

O encontro com Guedes e o secretário especial da Previdência será o primeiro de uma série de audiências públicas e marcará o retorno do ministro à Câmara após confusão envolvendo o deputado petista Zeca Dirceu, que defendeu que o chefe da Economia seria "tchutchuca com os ricos e tigrão com os pobres" . Antes do ataque, Guedes já havia discutido com os parlamentares na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

O relator da proposta que altera as regras para aposentadoria no País, Samuel Moreira (PSDB-SP) propôs que sejam realizados entre 9 e 11 debates, embora o "Centrão" e a oposição busquem estender o prazo para 15 sessões não deliberativas. A oposição cobra ainda que o ministro seja ouvido outra vez, mais perto do fim da tramitação da proposta na comissão.

Leia também: Comissão retoma debates sobre Previdência; só dez partidos oficializaram votos

Os debates na comissão especial começarão nesta terça-feira (7), e até então somente dez partidos anunciaram suas posições oficiais em relação à PEC, sendo apenas dois favoráveis ao texto original elaborado pela equipe econômica. Guedes e o governo defendem que o momento é de buscar evitar a "desidratação" da reforma na Câmara.