Tamanho do texto

Sucesso nas redes sociais e vitrines, o mundo do signos representa lucros em diferentes setores

livro aberto com signos do zodíaco arrow-options
shutterstock
Confira o que os astros reservam para o seu signo durante este horóscopo do dia

Faça o teste: comente sobre signos num ambiente com três ou mais jovens entre os 20 e 30 anos e repare no frenesi que o assunto é capaz de causar. Bastante popular durante as décadas de 1960 e 1970, marcadas pela cultura hippie e new wave, a  astrologia voltou a receber olhares atentos nos últimos três anos com ajuda da internet. Engana-se, porém, quem acha que a atividade limita-se ao hobby ou brincadeira. Além do reconhecimento da profissão no Brasil, vigente desde 2002, a astrologia se consolida como assunto de “gente grande” graças ao mercado em ascensão que acompanha o tema, seus produtos e serviços. 

Leia também: Previsões dos signos - 10 perfis sobre astrologia para seguir 

Independentemente de acreditar em astrologia ou não, esse é um assunto que faz as pessoas falarem sobre elas próprias . É um repertório simbólico e, a partir daí, a gente consegue ver valores da sociedade como, por exemplo, quais atributos de personalidade sofrem mais preconceito e o que  isso fala sobre nossa cultura”, explica Lucas Liedke, um dos criadores do projeto Peoplestrology.

A plataforma pesquisa, entre outros dados, o comportamento de consumo através da astrologia. Publicitário e psicanalista, Lucas começou a estudar o tema em 2017, quando percebeu o potencial de análise do tema. “A gente sentiu que a astrologia girava de novo pela cultura de massa, desde relatórios de tendência, até a linguagem de memes no Brasil , que é um termômetro muito importante”, explica o profissional. “Assim, identificamos algumas marcas que começavam a fazer uso da astrologia em seus produtos e isso impulsionou uma pesquisa sobre o assunto, que ganhou o formato de plataforma digital”, completa. 

mulher sob fundo rosa segura cristal rosa em pose frontal arrow-options
Instagram/Obvious Agency
Astróloga e influencer, Tatiane viveu temporada na Europa graças à profissão

E quem trabalha na área não discorda do potencial lucrativo que o tema oferece. Para Tatiane Lisbon, astróloga e influencer conhecida pelo projeto  “A Papisa” no Instagram , o novo boom da astrologia foi o gatilho que possibilitou a consolidação da sua carreira na internet. Com uma linguagem peculiar que une memes a previsões semanais (chamadas pela própria de “spoilers”) e leituras de tarot , o perfil de Tatiane no Instagram é o exemplo perfeito da nova geração de astrólogas na rede que, entre 2016 e 2017, apresentou um crescimento de 116% no número de pesquisas sobre o assunto, de acordo com a plataforma especializada TubularLabs . Já no Twitter , o crescimento no mesmo período foi de espantosos 300%, além de 67% de aumento nas buscas por conteúdo no YouTube. 

No perfil da Papisa, análises grátis dos trânsitos astrológico atraem clientes dos serviços personalizados de astrologia, tarot e numerologia, cujos preços - com serviços a partir de R$ 62 - podem chegar a R$440 por um pacote maior, com três horas de atendimento.  A numerologia também não fica de fora da precificação: para canalizar da melhor maneira o que Tatiane chama de "energia de troca", a soma dos algarismos de cada valor é sempre igual a oito.  

A remuneração padrão para serviços na área pode variar de R$ 100 (interpretação ou previsão gravada sem entrevista) a R$4.200 (piso do salário mensal para astrólogo contratado por veículos de comunicação). Essas informações são da tabela  publicada pela Associação Brasileira de Astrologia.

Há quatro anos a Papisa  - que recentemente viveu uma temporada na Europa - oferece leituras com atendimento presencial ou virtual, ou seja, dispensa a proximidade física e possibilita clientes de todo o Brasil e no exterior. Os consumidores podem, então, construir um mapa astral , consultar a numerologia , fazer uma leitura personalizada de tarot , entre outros serviços oraculares, sem sair de casa.  Tatiane atua também como DJ , mas afirma que hoje sua renda provém quase toda da astrologia dividida entre leituras e palestras sobre o tema , além do horóscopo periódico para um portal. 

ilustração mostra carta de tarot com letreiro arrow-options
Reprodução/Instagram
Em suas leituras na rede, Igor une astrologia e tarot

Um caminho parecido foi percorrido pelo amapaense Igor Reale, referência em leituras esotéricas no Twitter. Com 206 mil seguidores na rede do passarinho e mais 44,5 mil no Instagram , Igor virou febre nos últimos dois anos, quando seus horóscopos começaram a ganhar um número relevante de compartilhamentos. “Eu jogo tarot desde a adolescência. Em Macapá, onde vivo, trabalhava em praças e bares para fazer um dinheiro extra. Foi quando percebi uma expansão desse mercado na internet”, conta ele, que nunca teve outro trabalho.

Hoje, Reale realiza cerca de treze atendimentos por dia, com preços que variam de R$22 a R$44. Somados, apenas os atendimentos representam uma renda bruta de quase R$ 8 mil mensais. Com o ganho, o astrólogo paga dois funcionários que cuidam dos agendamentos e da produção das artes para o Instagram. 

As métricas mostram um crescimento animador. No Twitter, de acordo com o cartomante, cada horóscopo mensal publicado oferece um retorno de cerca de 3 mil seguidores. Já no Instagram, conforme aponta a plataforma Infiki  - que calcula o preço médio de publicações patrocinadas na rede através do número de seguidores - contas como as de Igor e Tatiane são capazes de render cerca de R$1 mil por postagem, dependendo do engajamento e demanda de cada empresa parceira. Igor Reale diz nunca ter estudado técnicas de vendas ou feito qualquer campanha substancial para aumentar o engajamento nas redes. “Deu certo, mas nem sei por quê”. 

Alguns dos motivos para que o negócio tenha dado tão certo são apontados pelo relatório “Por que as pessoas estão tão interessadas em astrologia” , publicado em 2018 pela Peoplestrology. Com uma amostragem orgânica de quase 3 mil internautas, a pesquisa alcançou o curioso número de mais de 100 pessoas que, apesar de desacreditarem completamente do tema, se sentiram motivadas a responder perguntas específicas sobre seu signo. De acordo com o Lucas Liedke, idealizador estudo, a justificativa está na dinâmica conhecida como “paradoxo da crença”, que se ancora num conceito comum na geração atual, a pós-verdade. “ Como a astrologia ocupa um lugar que não é o da ciência, é possível acreditar apenas quando é conveniente ou quando ela serve, por exemplo, de gatilho para conversas ”, explica. A relevância dos jovens consumidores na cultura astrológica: de acordo com a pesquisa, 47% das pessoas que acreditam no tema pertencem à Geração Z,  nascidos a partir de 1996. 

Leia também: Bruna Marquezine comenta mapa astral e elege pior signo do zodíaco

Outra informação digna de nota é o fato de que 35% dos entusiastas da astrologia são homens, índice 9% menor que o número de mulheres que compartilham do mesmo interesse. Apesar de ainda ser um assunto predominantemente feminino, o estudo aponta um “crescente no número de homens - assumidamente heterossexuais - que desafiam os estereótipos de gênero e discutem o assunto abertamente nos fóruns especializados”.

O analista de comunicação Wagner Souza, de 25 anos, assume o tema como um de seus focos. “Comecei a me interessar pelo tema depois que fui numa festa em que quase todo mundo perguntou qual o era o meu signo. No dia seguinte, passei várias horas pesquisando pelo assunto até entender onde estava minha Lua, meu ascendente e minha Vênus”, comenta ele, que fez o próprio mapa astral em duas plataformas diferentes na internet. Se o assunto o constrange? “Pelo contrário, uso o assunto nas minhas paqueras. Pergunto à menina qual o seu mapa pra ver se combina com o meu. Se ela for canceriana, meu lado aquariano já fica assustado”. 

Sucesso também nas vitrines 

E se nas redes sociais o tema é lucrativo, o resultado não é tão diferente quando os signos aparecem na forma de produtos. De acordo com Lucas Liedke, 2018 e 2019 foram os anos em que várias marcas varejistas encontraram um terreno fértil para abordar a astrologia na forma de ítens diversos. Camisetas, calçados, cosméticos e até lingerie já estão entre as coleções que ganharam uma versão personalizada para cada um dos doze arquétipos. Confira alguns dos lançamentos: 

Fenty - No início do mês, a Fenty Beauty - marca de cosméticos da cantora Rihanna, lançou uma coleção especial de batons inspirada no zodíaco. De acordo com a marca, o objetivo seria “ajudar os clientes a escolher o tom perfeito” considerando a personalidade dos nativos de cada signo nas cores. Batizada Mattemoseille, a linha, que não está disponível para venda no Brasil, é comercializada pelo valor de  £20, cerca de R$ 95. 

Wet’n’Wild - Já a marca norte-americana de cosméticos Wet’n’Wild foi ainda mais longe lançou um estojo completo de ítens inspirados no tema. Iluminadores e paleta de sombras são a inovação do kit ao apresentarem cores exclusivas para cada um dos quatro elementos do mapa: água, terra, ar e fogo. O estojo ainda conta com 12 batons e glosses para representar cada um dos signos. Os ítens possuem valores entre US$3 US$7. 

Lola Cosmetics - Para a Lola Cosmetics, conhecida pelos produtos para cabelo, é possível oferecer um tipo de tratamento específico de acordo com o mapa astral do consumidor. Assim, surgiu a linha “A entendedora dos astros”, com doze opções de cremes de hidratação diária. A embalagem com 230g do produto é vendida em lojas físicas e sites especializados por um valor que pode variar de  R$19,90 a R$32. 

Miniso - A rede oriental Miniso trouxe ao Brasil uma linha de perfumes em frascos com 10ml, cada um representando um signo do zodíaco. O produto foi lançado no segundo semestre de 2018 e é comercializado por cerca de R$ 25 por aqui. 

Farm - Também no ano passado, a grife carioca Farm trouxe, entre as novidades da estação, uma coleção de camisetas com o tema. O design foi elaborado em parceria com a astróloga Maína Mello, influencer com mais de 23 mil seguidores no Instagram. As peças fazem parte da linha Natureza Feminina e estão à venda no site da Farm por R$98. 

Arezzo - Sucesso na rede brasileira de calçados, a rede ZZASTRAL foi outra inovação que embarcou na onda esotérica. Apesar de oferecer cores norteadas pela estação em vez dos arquétipos de cada signo, a coleção trouxe tênis personalizáveis com o símbolo de cada signo - inseridos na hora com uma caneta especial, no local escolhido por cada cliente. Os produtos podem ser adquiridos no site da grife pelo valor de R$289,90. 

Yandi - Grife norte-americana de lingerie, a Yandi também está na lista dos que se renderam à promessa de valor agregado oferecida pelos signos. Em linha especial, a marca trouxe a coleção Zodiac Collection, com conjuntos de cores variadas para cada representante do zodíaco. Com entrega no Brasil através do site oficial da marca, cada produto - sem o frete - custa cerca de R$134.

Leia mais: Como ganhar dinheiro na internet? Veja dicas de um milionário do mercado digital