Tamanho do texto

De metodologia simples e composto por ações das principais empresas da Bolsa, índice ultrapassou os 95 mil pontos pela primeira vez na história

É a terceira vez no ano que o Ibovespa supera seu próprio recorde; alta acumulada em 2019 é de 8,49%
Getty Images
É a terceira vez no ano que o Ibovespa supera seu próprio recorde; alta acumulada em 2019 é de 8,49%

O Ibovespa, principal indicador de desempenho da Bolsa de Valores brasileira, renovou sua máxima histórica nesta quinta-feira (17) e bateu a marca dos 95 mil pontos. A variação positiva de 1,01%, puxada por ações da Vale e da Petrobras, foi motivada pelo otimismo quanto à reforma da Previdência no Brasil e por uma melhora geral no cenário externo ao longo do pregão.

Leia também: Embraer vai pagar US$ 1,6 bilhão a acionistas após acordo com Boeing

Já é a terceira vez no ano que o Ibovespa supera seus recordes: o índice ultrapassou os 93 mil pontos no último dia 9 e passou de 94 mil apenas cinco dias mais tarde. Depois de ter encerrado 2018 na casa dos 89 mil pontos, o Ibovespa já acumula alta de 8,49% nestes primeiros dias de 2019.

Criado em 1968, o Ibovespa é o resultado de uma carteira hipotética de ações das principais empresas que compõem a B3, como é oficialmente chamada a Bolsa de Valores de São Paulo (antiga BM&FBovespa). Ao todo, a B3 engloba mais de 300 empresas, mas cerca de 65, que são responsáveis por 80% dos valores negociados diariamente, pertencem ao Ibovespa.

Combinados, os dois papéis da Petrobras – PETR3 e PETR4 – têm peso de mais de 12% no Ibovespa
Fernando Frazão/Agência Brasil
Combinados, os dois papéis da Petrobras – PETR3 e PETR4 – têm peso de mais de 12% no Ibovespa

Dentre as ações que integram o índice, estão as de empresas como a Ambev (ABEV3), Petrobras (PETR3 e PETR4) e Vale (VALE3). O peso de cada um desses papéis varia diariamente, de empresa para empresa: hoje, a participação do primeiro, por exemplo, é de 5,07%; dos restantes, de 5,06%, 7,04% e 10,58%, aproximadamente.

Quanto maior a fatia de participação de uma ação, maior o seu poder de influência sobre o desempenho do Ibovespa. Uma queda acentuada nos papéis da Vale pode trazer todo o índice para baixo, ainda que os demais tenham valorizado ou se mantido estáveis naquele pregão. Do mesmo modo, uma alta nas ações da EcoRodovias (ECOR3), que têm peso de apenas 0,13%, não deve nem fazer cócegas no Ibovespa.

De forma resumida, os pontos divulgados no noticiário representam o preço das ações que compõem o índice multiplicado pela quantidade teórica de ações, que é divulgada diariamente pela própria B3. Anunciar que o Ibovespa encerrou o dia em 95.351 pontos, como aconteceu hoje, é como dizer que um investidor hipotético que queira comprar os mesmos papéis pertencentes ao índice deve desembolsar exatamente R$ 95.351,00.

Leia também: Três estados brasileiros já decretaram calamidade financeira em 2019

Essa carteira hipotética de ações é reformulada pela B3 a cada quatro meses, mas a metodologia do sistema de pontos é a mesma desde a criação do Ibovespa , tendo passado apenas por algumas readequações para facilitar sua divulgação. A última foi em 1997, quando o total de pontos foi dividido por 10. A lista de empresas que integram o índice pode ser consultada a qualquer momento no site oficial da B3 .