Tamanho do texto

Revisões para baixo feitas pelo governo derrubaram expectativa do PIB para 0,8% em 2019, mas liberação de recursos poderia elevar indicador a 1,1%

Jair Bolsonaro arrow-options
Marcos Corrêa/PR
Liberação de recursos do FGTS pode elevar PIB brasileira para 1,1% neste ano

A liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), medida de estímulo à economia que deverá ser anunciada pelo governo na próxima semana , pode elevar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 1,1% neste ano, de acordo com cálculos da equipe econômica, que projeta alta de 0,3 ponto percentual no resultado dos bens e serviços produzidos no país.

O crescimento de 1,1% do PIB em 2019 permitiria ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) manter o crescimento econômico registrado nos dois últimos anos de mandato de Michel Temer (MDB). A expectativa inicial, que previa alta de 2,5% neste ano, já foi revista duas vezes, atingindo os atuais 0,81%.

Leia também: Governo deve liberar recursos do FGTS; saiba como consultar o saldo de sua conta

De acordo com o jornal O GLOBO , o governo avalia fixar um teto de R$ 3 mil na liberação do saque das contas ativas. Também está sendo analisada a possibilidade de fixar um percentual de 15% sobre o saldo da conta vinculada para evitar que a medida acabe beneficiando quem não precisa.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, adiou o anúncio dos detalhes para a próxima semana. "Os técnicos estão fazendo ajustes. Nós tomamos a decisão de que na semana próxima vai ser feita a apresentação da medida provisória que trata da questão do Fundo de Garantia e também do PIS/Pasep . Os dois serão apresentados conjuntamente, provavelmente quarta ou quinta da semana que vem, vai depender da agenda do presidente", disse ele, após se reunir com ministro da Economia, Paulo Guedes .

Leia também: Saque automático do FGTS, em demissão sem justa causa, pode acabar

Em 2017, quando o ex-presidente Michel Temer anunciou a liberação de recursos do FGTS , 25,9 milhões de trabalhadores sacaram ao todo cerca de R$ 44 bilhões.