Tamanho do texto

Segundo levantamento do Índice FipeZap, Fortaleza foi a capital que teve maior elevação no período analisado; a inflação ficou em 0,13%

Pessoa fazendo contas com uma casinha e moedas em frente
Reprodução
Belo Horizonte foi a única capital brasileira que teve queda no preço do aluguel no período

O preço do aluguel residencial subiu 0,56% no Brasil em maio, a sexta alta consecutiva, segundo o Índice FipeZap de Locação Residencial. O aumento superou a inflação do período, que ficou em 0,13%. Já nos últimos 12 meses, o Índice acumula alta nominal de 3,50%, inferior à dos preços na economia brasileira nos últimos 12 meses: 4,66%, segundo o IPCA (IBGE), e 7,64%, segundo o IGP-M (FGV).

Leia também: Em dois anos, preço do gás de cozinha subiu 24%; veja maneiras de economizar

Entre as 11 capitais monitoradas pelo Índice FipeZap, Fortaleza foi a que apresentou a maior elevação de preço  em maio, 2,75%, enquanto Belo Horizonte foi a única cidade monitorada a apresentar queda no preço médio do aluguel residencial no período -0,21%.

Nos últimos 12 meses, Curitiba lidera com o maior aumento nominal de preço no período (11,37%), seguida por Florianópolis (9,88%) e Brasília (7,84%). Já o Rio de Janeiro foi a única capital monitorada a apresentar recuo do preço médio da locação residencial no intervalo dos últimos 12 meses, com queda de -1,89%.

Em relação ao preço do metro quadrado, o valor médio foi de R$ 28,79/m² entre as 25 cidades monitoradas. Considerando as 11 capitais pesquisadas, São Paulo se manteve como a capital com o preço do m² mais elevado (R$ 38,17/m²), seguido por Rio de Janeiro (R$ 30,67/m²) e Brasília (R$ 28,93/m²). Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de locação residencial no último mês analisado, destacaram-se: Goiânia (R$ 16,43/m²), Fortaleza (R$ 16,49/m²) e Curitiba (R$ 18,88/m²).

Leia também: Afinal, por que eu devo guardar dinheiro?

E com o aumento de preços , colocar um imóvel para aluguel ficou mais interessante financeiramente. O retorno teve alta de 4,43% em maio de 2019, o retorno médio ficou em 4,59% ao ano.