Tamanho do texto

Se pago à vista, imposto tem dedução de 3%; valor pode ser consultado nos caixas eletrônicos, pela internet ou diretamente nas agências bancárias

Valor do IPVA teve queda e quem optar pelo pagamento à vista terá mais desconto
shutterstock
Valor do IPVA teve queda e quem optar pelo pagamento à vista terá mais desconto

Em São Paulo, os proprietários de veículos com placas terminadas em 8 tem até esta sexta-feira (18) para pagar o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) à vista com desconto de 3%. Aqueles que pretendem parcelar o imposto em três vezes também têm, nesta sexta-feira, a última chance de fazê-lo.

Leia também: Prazos, valores e parcelamento: saiba tudo sobre o IPVA 2019

O valor a ser pago pode ser consultado nos caixas eletrônicos, pela internet ou diretamente nas agências bancárias. Para isso, basta que o contribuinte tenha em mãos o número do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores) de seu automóvel. Também é possível verificar o valor do IPVA no  site da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo .

Para pagar o imposto , o proprietário deve ir a uma agência bancária ou casa lotérica com o número do Renavam. Também é possível quitar o valor  nos caixas eletrônicos, pela internet ou por quaisquer outros canais oferecidos pela instituição financeira, como os aplicativos, por exemplo.

Confira as datas de vencimento para os outros finais de placa do estado de São Paulo :

  • Final 1 - 9 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 11 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 11 de março (terceira parcela)
  • Final 2 - 10 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 12 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 12 de março (terceira parcela)
  • Final 3 - 11 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 13 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 13 de março (terceira parcela)
  • Final 4 - 14 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 14 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 14 de março (terceira parcela)
  • Final 5 - 15 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 15 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 15 de março (terceira parcela)
  • Final 6 - 16 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 18 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 18 de março (terceira parcela)
  • Final 7 - 17 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 19 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 19 de março (terceira parcela)
  • Final 8 - 18 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 20 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 20 de março (terceira parcela)
  • Final 9 - 21 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 21 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 21 de março (terceira parcela)
  • Final 0 - 22 de janeiro (primeira parcela ou à vista com desconto), 22 de fevereiro (segunda parcela ou à vista sem desconto), 22 de março (terceira parcela)

IPVA: à vista ou parcelado

Para os contribuintes que têm a quantia guardada para quitar o IPVA, a cota única é mais vantajosa financeiramente
Reprodução
Para os contribuintes que têm a quantia guardada para quitar o IPVA, a cota única é mais vantajosa financeiramente

Para os contribuintes que têm a quantia guardada para quitar o IPVA de uma vez, a  cota única  é mais vantajosa financeiramente. Segundo cálculos feitos pela associação de consumidores Proteste, o parcelamento só valeria a pena se o dinheiro investido estivesse numa aplicação de rendimento mensal líquido de pelo menos 1,55% ao mês ou 20,27% ao ano. Em termos brutos, isso equivale a 2% ao mês ou 26,82% ao ano.

Com a taxa Selic em 6,5% ao ano, o menor patamar desde o início da série histórica do Banco Central (BC), esse é um rendimento impossível de se conseguir em aplicações mais conservadoras e indicadas para essa finalidade, como o Tesouro Direto e a caderneta de poupança. Esta última, a título de comparação, hoje paga cerca de 0,35% por mês.

Leia também: IPVA à vista ou parcelado: qual é a melhor forma de pagar o imposto?

"Numericamente não vale a pena [parcelar o valor do IPVA ]", explica o educador financeiro Fabrizio Gueratto, do canal 1Bilhão. "Se você consegue um desconto de 3% [valor praticado em São Paulo, por exemplo] à vista, teria que encontrar um investimento que rendesse mais do que esses 3% em três meses [máximo de parcelas do  IPVA]. Atualmente, com a Selic em 6,5% ao ano, nenhum investimento de renda fixa com liquidez diária rende 1% ao mês", completa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas