Tamanho do texto

Depois de um aumento de 0,8% que entrou em vigor nesta sexta-feira (19), Petrobras decidiu que gasolina ficará 0,7% mais cara a partir de sábado (20)

Gasolina acumula alta de 28,4% desde que nova política de preços da Petrobras entrou em vigor, no dia 3 de julho
Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
Gasolina acumula alta de 28,4% desde que nova política de preços da Petrobras entrou em vigor, no dia 3 de julho

A Petrobras anunciou, nesta sexta-feira (19), que vai elevar o preço da gasolina nas refinarias pelo segundo dia consecutivo. Depois de um aumento de 0,8% que entrou em vigor hoje, o combustível ficará 0,7% mais caro a partir do próximo sábado (20). Em compensação, o valor do diesel será reduzido em 0,6%, após uma alta de 0,7% que entrou em vigor também nesta sexta-feira.

Leia também: Com juros mais baixos no exterior, Tesouro capta US$ 1,5 bilhão de estrangeiros

Antes de passar por dois aumentos consecutivos, a gasolina teve o preço reduzido em 0,5% na última quinta-feira (18). O diesel, por outro lado, vinha de quatro elevações seguidas, com o preço subindo desde a última terça-feira (16). As variações praticamente diárias no preço dos combustíveis fazem parte da nova política da Petrobras, que visa maior alinhamento com o mercado internacional.

"A política de preços para a gasolina e o diesel vendidos em nossas refinarias às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, que representa a alternativa de suprimento oferecido pelos nossos principais concorrentes para o mercado - importação do produto", diz a empresa.

Leia também: Conselho define novas regras para saques do Fundo PIS/Pasep; entenda

Além disso, a Petrobras diz que a margem "considera os riscos inerentes à atividade de importação como volatilidade da taxa de câmbio e dos preços". Desde que esta política de preços teve início, em 3 de julho do ano passado, o valor da gasolina vendida nas refinarias já acumula uma elevação de 28,4%, enquanto o diesel subiu 24,35%.

Segundo a estatal, o mercado interno também é avaliado para a realização das mudanças. "Em busca de convergência no curto prazo com a paridade do mercado internacional, analisamos nossa participação no mercado interno e avaliamos frequentemente se haverá manutenção, redução ou aumento nos preços praticados nas refinarias. Sendo assim, os ajustes nos preços podem ser realizados a qualquer momento, inclusive diariamente", afirma a Petrobras.

Leia também: Conselho define novas regras para saques do Fundo PIS/Pasep; entenda

Apesar dos reajustes feitos pela estatal, o preço final da gasolina e o diesel ao consumidor, nas bombas, depende de cada empresa revendedora e dos próprios postos de combustíveis. O histórico das últimas variações praticadas pela Petrobras está disponível na página da estatal na internet.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.