Tamanho do texto

Consolidado para o ano ficou em 2,95%, abaixo do piso da meta estabelecida pelo Copom; queda nos preços de alimentos contribuíram para o resultado

Brasil Econômico

Segundo o IBGE, resultado da inflação foi influenciado pela queda de 1,87% nos preços de alimentos e bebidas
Tânia Rêgo/Arquivo/Agência Brasil
Segundo o IBGE, resultado da inflação foi influenciado pela queda de 1,87% nos preços de alimentos e bebidas

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) terminou 2017 com alta acumulada de 2,95%, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado indica uma queda de 3,94 pontos percentuais em relação ao registrado em 2016 e o menor nível desde 1998, quando a taxa ficou em 1,65%.

Leia também: Vale parcelar? Saiba a melhor forma de pagar IPTU e como se organizar para isso

Quando apenas o mês de dezembro é levado em consideração, o resultado da inflação foi de 0,44%. O índice revela uma alta de 0,16 ponto percentual na comparação com novembro e representa a maior variação mensal de 2017. Com o resultado consolidado para 2017, o IPCA ficou abaixo do piso de 3% da meta fixada pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Leia também: Trabalhador que teve demissão divulgada em rede social receberá indenização

O objetivo era que o indicador terminasse o ano em 4,5% com tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos, ou seja, entre 3% e 6%. Dos nove grupos que compõem o IPCA, o setor de  Alimentação e Bebidas foi o que mais contribuiu para conter a elevação de preços. Responsável por cerca de 25% das despesas das famílias, o grupo teve deflação (queda acumulada) de 1,87%.

O resultado foi causado pela redução de 4,85% no preço dos alimentos consumidos em casa, com destaque para as frutas, que tiveram o maior impacto negativo ao registrarem queda de 16,52% no período. De acordo com o gerente do Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor do IBGE, Fernando Gonçalves, a deflação dos alimentos é consequência da produção agrícola.

A safra do ano passado foi cerca de 30% maior que o registrado em 2016. "Essa situação levou o consumidor a pagar mais barato (-1,87%) do que no ano anterior. É a primeira vez que o grupo apresenta deflação desde a implantação do Plano Real", explica.

Leia também: Buscar emprego no início do ano aumenta suas chances? Descubra se isso é verdade

Em dezembro, especificamente, a alta da inflação é justificada, em parte, pelo alta dos preços dos produtos dessa mesma categoria. Segundo o IBGE, o grupo de Alimentação e Bebidas passoui de deflação de 0,38%, em novembro, para inflação de 0,54%. Outro grupo que apresentou alta no mesmo período foi Transportes, que passou de 0,52% para 1,23% na comparação mensal.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.