Tamanho do texto

Após usar bandeira vermelha patamar 2 nos meses de outubro e novembro, Aneel definiu que não haverá cobrança extra nas contas de luz em janeiro

Chegada do período de chuvas favoreceu reservatórios e permitiu conta de luz sem cobrança adicional
shutterstock
Chegada do período de chuvas favoreceu reservatórios e permitiu conta de luz sem cobrança adicional

Os consumidores pagarão mais barato pela conta de luz em janeiro. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou nesta sexta-feira (29) que a bandeira tarifária do mês será a verde, ou seja, não haverá cobrança de taxa extra.

Leia também: Salário mínimo tem menor reajuste em 24 anos e passa para R$ 954 em 2018

Nos meses de outubro e novembro, devido aos níveis reduzidos dos reservatórios das hidrelétricas e escassez de chuvas, a Aneel adotou a bandeira vermelha patamar 2, a mais cada do sistema. A cobrança adicional na conta de luz, neste caso, é de R$ 5 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

Já em dezembro, a agência reguladora baixou a bandeira vermelha para o patamar 1, quando são cobrados R$ 3 a cada 100 kWh. A taxa extra se deve ao acionamento das usinas térmicas, que tem um custo maior para a produção de energia.

A Aneel havia sinalizado, ainda no início de dezembro, a possibilidade de cobrança da tarifa amarela em janeiro, quando o valor extra é de R$ 1 a cada 100 kWh. No entanto, de acordo com a agência, com a chegada do período de chuvas, houve um acréscimo no nível dos reservatórios, o que diminuiu a necessidade de acionamento das térmicas e possibilitando a adoção da bandeira verde.

Leia também: Petrobras anuncia 12º reajuste no preço da gasolina em dezembro

“O acionamento dessa cor indica condições favoráveis de geração hidrelétrica no Sistema Interligado Nacional. Mesmo com a bandeira verde é importante manter as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício de energia elétrica”, destacou a Annel em nota.

Entenda a bandeira tarifária

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado para equilibrar os gastos extras por conta da utilização de usinas termelétricas, mais caras do que as hidrelétricas. A cor da bandeira impressa na conta indica o custo em função das condições de geração de eletricidade. Quando chove menos, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no País.

Leia também: Governo revê portaria e torna fiscalização sobre trabalho escravo mais rigorosa

A agência defende que a bandeira tarifária não é um custo extra na conta de luz, mas uma forma diferente de cobrar um valor que já era incluído na conta de energia, por meio do reajuste tarifário anual das distribuidoras. A agência diz que o modelo torna a conta mais transparente para o consumidor e apresenta a melhor informação para usar a energia elétrica de forma mais consciente.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.