Tamanho do texto

Empresa anunciou que vai deixar de atuar no mercado europeu e asiático, mas deve manter estabelecimentos na América Latina, incluindo no Brasil

Forever 21 arrow-options
Divulgação
Rede varejista Forever 21 pretende manter suas lojas na América Latina, incluindo os estabelecimentos no Brasil

A rede varejista americana de moda Forever 21 anunciou, neste domingo (29), que vai entrar com pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos. Serão aproximadamente 350 lojas fechadas, incluindo 178 que ficam nos EUA .

Leia também: Número de compras em lojas físicas e online deve se igualar na Black Friday 2019

A Forever 21 também informou que vai deixar de atuar na Europa e Ásia, mas pretende preservar suas operações na América Latina, o que significa que no Brasil, onde a empresa atua desde 2014, as lojas devem permanecer. 

Em seu anúncio de pedido de recuperação judicial , que já era esperado, já que varejista havia antecipado a notícia no início do mês, a rede disse que vai tentar expandir os resultados das lojas que restarem nos EUA, onde tem sede, em Los Angeles, na Califórnia.

De acordo com os economistas, a empresa foi vítima da própria expansão acelerada e das mudanças rápidas dos gostos dos consumidores, que, em sua área de atuação, são mulheres jovens.

Além disso, ao não reagir ao avanço das vendas online e continuar atuando sem se preocupar com a imagem da empresa em relação ao impacto ambiental de suas produções, mantendo a fabricação das peças sem cuidado com as condições de trabalho de seus funcionários, a varejista priorizou a “fast fashion” e acabou perdendo público.

Leia também: Passou do limite? Marca lança moletons furados a bala sobre tiroteios em escolas

A Forever 21 foi criada em 1984 pelo sul-coreano Do Won Chang e começou a fazer sucesso nos anos 1990. A marca chegou a disputar espaço com redes globais como Zara e H&M, além de ter 800 lojas em todo o mundo.