Tamanho do texto

Agência dos EUA encontrou novo problema no modelo durante uma rodada de testes; empresa esperava realizar um voo de certificação no dia 8 de julho

IstoÉ Dinheiro

boeing 737 max
Divulgação/Boeing
Boeing esperava realizar um voo de certificação, uma das etapas para a liberação do 737 MAX, no próximo dia 8 de julho

A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês), apontou novas falhas no Boeing 737 Max e deve prolongar a suspensão de uso do modelo. Segundo a agência de notícias  Reuters , as falhas foram descobertas na última semana durante uma rodada de testes.

Leia também: Procon-SP vai investigar Gol por promoção de passagens a R$ 3,90

A Boeing esperava realizar um voo de certificação, uma das etapas para a liberação da aeronave, em 8 de julho. Segundo a reportagem, técnicos da FAA levarão no mínimo mais três semanas para estudar os novos resultados e decidirem se o avião poderá voar.

O 737 Max está suspenso em todo o mundo desde março após dois acidentes fatais na Indonésia e Etiópia deixarem 346 vítimas. Segundo investigações, as duas tragédias, em outubro de 2018 e março deste ano , respectivamente, foram causadas por falhas em um dos softwares da aeronave.

Após o último incidente, a Boeing afirmou que o problema seria rapidamente resolvido, mas desde então não apresentou provas o suficiente para conseguir a retomada dos voos. A última previsão era de que o avião seria liberado até agosto, mas desde o início deste mês a companhia e agências reguladoras não expõem mais datas para o retorno.