Tamanho do texto

Entre os itens oferecidos estão balinhas de gelatina, bolachas salgadas e cookies; os motoristas receberão 25% de comissão pelos produtos vendidos

uber
Divulgação
Entre os itens oferecidos pela Uber estão cookies de Toddy, balinhas da Fini, barras de proteína, bolachas e bebidas

A  Uber começou a oferecer no Rio de Janeiro e em São Paulo um novo serviço: a venda de lanches rápidos dentro dos veículos. A oferta chega por meio de parceria firmada com a Ipiranga e Cargo. O Brasil é o primeiro país da América Latina com esse atendimento, que já é praticado nos Estados Unidos.

Leia também: Motoristas da Uber fazem greve no Brasil e em outros países; confira como foi

Os motoristas interessados poderão pegar kits nas lojas de conveniência AM/PM, que vêm em caixas com um QR code . O passageiro que tiver interesse em consumir um dos itens deve acessar o site da lojacargo.com, indicar a sua seleção de produtos, escanear o código no carro e realizar o pagamento usando cartão de crédito diretamente para a Cargo ou em dinheiro para o motorista, caso esta opção esteja disponível.

"Pode não haver uma região melhor para a Cargo expandir do que o Brasil, um dos mercados de aluguel de carros que mais cresce no planeta. Estamos entusiasmados em trazer a Cargo para o país em parceria com a Uber e a Ipiranga, líderes em aluguel de carros e conveniência, respectivamente", disse Jeff Cripe, fundador e CEO da Cargo.

Entre os itens oferecidos estão cookies de Toddy, balinhas da Fini , barras de proteína Whey Bars, bolachas salgadas e bebidas. Os motoristas receberão 25% de comissão de todos os produtos vendidos, além de 100% das gorjetas obtidas através da Loja Cargo. A adesão é voluntária.

Leia também: Food, Rappi e Uber Eats: conheça as diferenças entre os aplicativos de delivery

A princípio, o serviço está sendo testado apenas na modalidade Uber Black . Entretanto, há planos de expansão para UberX e para outras regiões do País. O motorista da Uber Antônio de Carvalho, de 23 anos, aprovou a nova oportunidade de receita. "Se a pessoa quiser comprar, ganhamos um dinheiro extra, mas se não conseguir vender, não perdemos nada", comentou.

    Leia tudo sobre: inovação