Tamanho do texto

No mesmo período do ano passado, mineradora registrava lucro de mais de R$ 5 bilhões; perdas com a tragédia em Minas Gerais somam R$ 19 bilhões

presidente da vale
Divulgação/Vale
A tragédia de Brumadinho (MG) aconteceu há pouco mais de três meses, deixando 237 mortos e mais de 30 desaparecidos

A mineradora Vale fechou o primeiro trimestre de 2019 com prejuízo de R$ 6,4 bilhões, um resultado muito pior do que o lucro de R$ 5,1 bilhões registrado no mesmo período do ano passado. O desempenho negativo foi puxado pela tragédia de Brumadinho (MG), cujas perdas somaram R$ 19 bilhões, segundo estimativas da própria empresa.

Leia também: Vale soma R$ 142 milhões em multas ambientais – e não pagou nenhuma

No balanço trimestral divulgado nesta quinta (9), a Vale provisionou R$ 9,3 bilhões para acordos de compensação e remediação, R$ 7,1 bilhões para a descaracterização de barragens e R$ 2,5 bilhões para as despesas com os trabalhos na cidade mineira. No período, com a suspensão das atividades em diversos complexos cuja segurança foi questionada pela Justiça, a produção de minério de ferro da empresa caiu 11% ante o primeiro trimestre de 2018.

A última paralisação aconteceu no último dia 6, na mina de Brucutu, a maior da Vale em Minas Gerais e com capacidade para produzir 30 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. Mesmo assim, a companhia reafirmou a previsão de vender entre 307 e 332 milhões de toneladas de minério de ferro e pelotas este ano. Antes da tragédia de Brumadinho, a Vale estimava vender 382 milhões de toneladas.

No primeiro trimestre deste ano, as vendas de minério de ferro e pelotas bateram 67,7 milhões de toneladas, recuo de 30% na comparação com outubro a dezembro de 2018. As vendas apenas de minério de ferro diminuíram 22% ante o primeiro trimestre de 2018, a 55,4 milhões de toneladas, tendo recuado 31,2% ante os três últimos meses do ano passado. Em pelotas, as quedas foram de 6,2% e 23%, respectivamente.

Leia também: Mesmo com tragédia de Brumadinho, Vale deve lucrar em 2019

O rompimento da barragem 1 da mina Córrego do Feijão aconteceu há pouco mais de três meses, em 25 de janeiro, e deixou um rastro de destruição no vale abaixo do complexo, atingindo o rio Paraopebas. Até o momento, segundo os últimos números divulgados pelas autoridades, a tragédia de Brumadinho deixou 237 mortos e 33 desaparecidos.