Tamanho do texto

Segundo Paulo Kakinoff, presidente da aérea brasileira, os aviões Boeing 737 MAX 8 têm "alto nível de segurança"; tragédia na África deixou 157 mortos

undefined
Divulgação/Gol
"[O Boeing 737 MAX 8] É a melhor aeronave e com alto nível de segurança”, disse Paulo Kakinoff, presidente da Gol

A Gol afirmou que não pretende mudar o contrato de encomenda de 135 aeronaves Boeing 737 MAX 8, mesmo modelo que protagonizou a tragédia na Etiópia que deixou 157 mortos no início de março . Desde o acidente, por precaução, dezenas de países e companhias aéreas suspenderam o uso do avião. As informações foram publicadas pelo jornal O Estado de S. Paulo .

“Vamos manter nossa encomenda. Temos 12.400 horas de voo testados. É a melhor aeronave nesse momento e com alto nível de segurança”, comentou Paulo Kakinoff, presidente da Gol , durante evento em São Paulo. Kakinoff ainda disse que a companhia está acompanhando os testes feitos pela Boeing e espera os resultados para entender as causas do acidente.

Entre as 68 aéreas que utilizavam aeronaves Boeing 737 MAX 8, a Gol era a única brasileira. Na noite seguinte à tragédia com o avião da Ethiopian Airlines, após ser pressionada pelo Procon, a empresa cancelou temporariamente todas os voos com o modelo .

Na ocasião, em nota, a Gol reiterou “a confiança na segurança de suas operações e na Boeing, parceira exclusiva desde o início da companhia em 2001" e esclareceu que "está acompanhando de forma intensiva todos os fatos que permitam o retorno das aeronaves às operações regulares no menor espaço de tempo possível”.

Segundo a companhia, as operações com o Boeing 737 MAX 8 tiveram início em junho do ano passado e, desde então, foram realizados 2.933 voos, totalizando mais de 12,7 mil horas. “Atualmente, a frota da companhia é composta por 121 aeronaves Boeing, das quais sete são modelos 737 MAX 8”, acrescentou.

A tragédia

undefined
Pixabay
Em 10 de março, um avião da Ethiopian Airlines caiu e deixou 157 mortos, sendo 149 passageiros e oito tripulantes

Na manhã do último 10 de março, uma aeronave da Ethiopian Airlines que voava de Adis Abeba, capital da Etiópia, para Nairóbi, no Quênia, acabou caindo poucos minutos depois de decolar. O acidente deixou 157 mortos, sendo 149 passageiros e oito tripulantes. As vítimas eram de 35 nacionalidades diferentes.

Leia também: 31 companhias aéreas suspendem voos com modelo de avião que caiu na Etiópia

De acordo com a companhia aérea, o voo ET 302 saiu às 8h38 do aeroporto de Bole, em Adis Abeba, e perdeu o contato com a torre de controle apenas seis minutos depois, às 8h44. A queda aconteceu perto da cidade de Bishoftu, a apenas 62 km do ponto inicial de partida. As causas do acidente ainda estão sendo investigadas.


*Com informações da ANSA