Tamanho do texto

Em 2019, mesmo com tragédia de Brumadinho, empresa deve obter números positivos; mineradora reduziu dívidas em 2018, mas também investiu menos

undefined
Reprodução/Facebook
Vale registrou lucro de R$ 25,6 bilhões em 2018, segundo balanço

A Vale registrou lucro líquido de R$ 25,657 bilhões em 2018, ano que antecedeu a tragédia de Brumadinho, de acordo com balanço divulgado nesta quarta-feira (27) pela companhia. O desempenho foi o melhor da mineradora desde 2011 e representou crescimento de 45,6% na comparação com o ano anterior.

Leia também: MPT pede R$ 5 milhões em danos morais para famílias das vítimas de Brumadinho

No resultado medido em dólares, a Vale reportou lucro líquido de US$ 6,860 bilhões no ano passado, US$ 1,5 bilhão a mais em relação a 2017. A mineradora atribui o resultado ao avanço da geração de caixa, que é medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e ao menor impacto do resultado negativo proveniente das operações descontinuadas.

No quarto trimestre, a empresa obteve lucro líquido de R$ 14,485 bilhões, apresentando um crescimento de 472% em relação ao mesmo período de 2017. Na comparação trimestral, o lucro aumentou 152% na comparação com o período que compreende julho, agosto e setembro.

Os números não abrangem os efeitos da tragédia de Brumadinho ocorrida em janeiro deste ano. Segundo a companhia, os impactos só poderão ser estimados na divulgação do resultado trimestral. Com o rompimento da barragem , que tem 216 mortos e 89 desaparecidos, a companhia adiou a divulgação do balanço do mês de fevereiro para março e enfrentou uma troca de comando .

Após o afastamento de Fábio Scharvtsman, ex-presidente, a empresa anunciou Eduardo Bartolomeo, funcionário da Vale há mais de 10 anos, como presidente interino. Solução interna, ele é apresentado pela empresa como "reconhecido por acumular experiências distintas e ao mesmo tempo conhecer o negócio da Vale" e capaz de "manter um diálogo aberto e transparente com os diversos stakeholders (gestores) da companhia". 

Além do lucro ter sido maior, as dívidas da Vale caíram em 2018. A dívida líquida (que reúne empréstimos e financiamentos menos o caixa) foi para US$ 9,650 bilhões no ano passado, bem abaixo dos US$ 18,143 bilhões registrados em 2017. Já a dívida bruta totalizou US$ 15,466 bilhões, também inferior aos US$ 22,489 bilhões do ano anterior.

"A redução da dívida bruta em relação a 2017 deveu-se, principalmente, ao repagamento de US$ 7,753 bilhões em 2018, incluindo a recompra de bonds com vencimento em 2020, 2021, 2022, 2036 e 2042", informou a companhia.

Os investimentos em 2018 somaram US$ 3,784 bilhões, uma queda de 1,7% na comparação com o ano de 2017. Em 2018, a companhia investiu US$ 888 milhões em execuções de projetos e US$ 2,896 bilhões na manutenção das operações, de acordo com o balanço.

A produção de minério de ferro da Vale registrou 384,6 milhões de toneladas em 2018, um crescimento de 4,9% ante 2017. Somente no quarto trimestre, a mineradora produziu 101 milhões de toneladas, uma alta de 8,2% na relação anual.

 Pós-Brumadinho para a Vale

undefined
Isac Nóbrega/Presidência da República
Mesmo após Brumadinho, Vale deve lucrar neste ano

Após a tragédia, a Vale suspendeu a política de remuneração aos acionistas da empresas, além de cancelar o pagamento de dividendos e juros sobre o capital próprio. A decisão foi anunciada no fim de janeiro, logo após a tragédia de Brumadinho , e confirmada pela empresa.

Leia também: Mesmo com tragédia de Brumadinho, Vale deve lucrar em 2019

Mesmo após o deslizamento, a Vale deverá lucrar em 2019, segundo especialistas. As principais razões são o tamanho da empresa e o boom do preço do minério de ferro após o ocorrido.