Marcelo Camargo/Agência Brasil
"Toda vez que vai haver aumento do desemprego, isso preocupa o governo", disse Mourão sobre o fim da fábrica da Ford

O vice-presidente, Hamilton Mourão (PRTB), afirmou que o governo não deve conceder incentivos para impedir o fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, no interior de São Paulo. O general, porém, garantiu que o governo está estudando a situação para tentar manter os empregos dos quase 3 mil funcionários que trabalham na unidade.

Leia também: Já existem três compradores interessados na fábrica da Ford, diz Doria

"Está fora de questão [conceder incentivos à Ford ]. [Mas] Toda vez que vai haver aumento do desemprego, isso preocupa o governo. Estamos estudando esse assunto porque é uma empresa privada e, neste caso, é questão de desoneração e tributos. Então, temos que dar uma estudada nisso", disse o vice-presidente.

Na manhã desta sexta-feira (1º), o general receceu Wagner Firmino de Santanda e Paulo Aparecido Silva Cayres, presidente e vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC; Sérgio Aparecido Nobre, secretário-geral da CUT (Central Única dos Trabalhadores); e Adalto Oliveira, diretor da Ford. Os cinco discutiram possíveis alternativas para a situação da fábrica da montadora.

Providências do governo

Marcelo Camargo/Agência Brasil
"Até o final deste ano os empregos [na fábrica da Ford] estão assegurados", anunciou o governador João Doria (PSDB)

Após o anúncio do fechamento da unidade da Ford em São Bernardo do Campo, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), se reuniu no último dia 21 com o CEO da Ford América do Sul, Lyle Watters. Após o encontro, Doria confirmou que o governo vai buscar um comprador para a fábrica e tentar manter os empregos.

Leia também: Doria vai buscar comprador para fábrica da Ford no interior paulista

Você viu?

“Foi uma reunião longa e dura”, disse Doria à imprensa. “[Decidimos] que governo de São Paulo vai buscar comprador para essa fábrica da Ford para a preservação dos empregos, ainda que com uma nova marca assumindo o parque industrial”, acrescentou.

Segundo Doria, não há preocupação imediata dos funcionários da montadora porque o fechamento da fábrica acontecerá de forma gradual, ao longo de 2019. “[A operação] Vai continuar normalmente. Até o final deste ano os empregos estão assegurados, mas vamos, de forma célere, buscar um potencial comprador para essas instalações",  disse o governador.

O tucano ainda garantiu que a fábrica de Taubaté, onde há 1,6 mil trabalhadores, e as sedes de Tatuí e Barueri, com 270 e 170 funcionários, respectivamente, não serão afetadas. O centro administrativo da montadora em São Bernardo do Campo também será mantido, segundo anunciado pela Ford e confirmado por Doria.

A decisão da Ford

A Ford vai encerrar as atividades em São Bernardo do Campo e deixará o mercado de caminhões na América do Sul
Divulgação
A Ford vai encerrar as atividades em São Bernardo do Campo e deixará o mercado de caminhões na América do Sul

A Ford anunciou, no último dia 19, que vai encerrar as atividades na fábrica de São Bernardo do Campo e que deixará o mercado de caminhões na América do Sul. No Brasil, deixará de comercializar as linhas Cargo, F-4000, F-350 e Fiesta, assim que terminarem os estoques. A planta de São Bernardo será desativada ao longo de 2019.

Leia também: Os números que explicam o que levou a Ford a fechar sua fábrica em São Paulo

Além da fábrica no interior paulista, a Ford tem outras duas em Camaçari (BA) e Taubaté (SP), e um campo de provas em Tatuí (SP). Em São Bernardo do Campo há 2,8 mil empregados, segundo o sindicato da categoria. “Sabemos que essa decisão terá um impacto significativo sobre os nossos funcionários e, por isso, trabalharemos com todos os nossos parceiros nos próximos passos”, disse Lyle Watters.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários