Tamanho do texto

Avaliada em US$ 5,26 bilhões, Boeing ficará com 80% da nova empresa e Embraer com 20%; acordo ainda depende de aprovação de autoridades

Assembleia entre membros da Embraer e Boeing é uma das últimas etapas antes da decisão do acordo entre as duas empresas
Divulgação/Embraer
Assembleia entre membros da Embraer e Boeing é uma das últimas etapas antes da decisão do acordo entre as duas empresas



Acionistas da Embraer aprovaram, na manhã desta terça-feira (26), o acordo entre Embraer e Boeing. Acionistas das duas empresas de aviação se reuniram para em uma Assembleia Geral Extraordinária, uma das últimas etapas do processo de parceria, para acertar os últimos detalhes da união.

Leia também: "Governo não pensa em interromper" fusão entre Embraer e Boeing, diz ministro

De acordo com empresa brasileira, 96,8% dos votos registrados foram favoráveis ao acordo entre Embraer e Boeing , que cria uma  joint venture   - negócio formado a entre duas empresas. A aprovação dessa parceria, entretanto, ainda depende do aval de autoridades regulatórias.

Segundo a Embraer , ficou decidido que a nova empresa, avaliada em US$ 5,26 bilhões, 80% da norte-americana Boeing e 20% da companhia brasileira. Em nota, Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente e CEO da Embraer, comemorou a negociação: “Essa importante parceria posicionará as duas empresas para oferecer uma proposta de valor mais robusta a nossos clientes e investidores, além criar mais oportunidades para nossos empregados. Nosso acordo criará benefícios mútuos e aumentará a competitividade tanto da Embraer quanto da Boeing”, disse.

Durante a reunião,  também foi aprovada a criação de uma segunda  joint venture , esta para para promover e desenvolver novos mercados para o avião multimissão KC-390. Neste acordo, a Embraer deterá 51% das ações enquanto a Boeing ficará com os 49% restantes.

Mais cedo, a Justiça revogou a liminar que impedia a realização dessa. De acordo com a Embraer, a decisão de autorizar novamente o encontro foi tomada pelo o Tribunal Regional Federal da Terceira Região (TRF3).

Leia também: PDT cita "risco à soberania nacional" e vai à Justiça contra Embraer-Boeing

Segundo Therezinha Cazerta, presidente do TRF3, a proibição da assembleia entre Embraer e Boeing geraria, "como efeito indireto, a paralisação não só de um procedimento de negociação, mas também impede a instalação do fórum adequado ao manejo dessas questões pela própria União." 

Na segunda-feira (25), a Embraer disse que estava tomando as providências necessárias para que a Justiça revogasse a decisão e autorizasse o encontro. A assembleia era uma das últimas etapas para decidir o acordo de fusão entre as empresas de aviação.

Por que Embraer e Boeing decidiram se unir?

Embraer e Boeing buscam, juntas, unir forças e competir internacionalmente com grande destaque no setor de aviação
Reprodução
Embraer e Boeing buscam, juntas, unir forças e competir internacionalmente com grande destaque no setor de aviação









Enquanto a empresa norte-americana é a principal fabricante de aeronaves comerciais para voos longos, a Embraer lidera o mercado de jatos regionais, com aeronaves equipadas para voar distâncias menores.

A Boeing é uma empresa cuja receita é cerca de 16 vezes maior do que a da Embraer. Em 2017, a brasileira teve arrecadação de US$ 5,8 bilhões, enquanto a empresa americana arrecadou US$ 93,3 bilhões.

Leia também: Embraer e Boeing anunciam acordo para fusão e esperam aprovação do governo

Embraer e Boeing  buscam, juntas, unir o melhor de cada uma e organizar uma grande e forte empresa, que seja capaz de competir internacionalmente e se destacar no setor de aviação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.