Tamanho do texto

Mineradora anunciou a suspensão do pagamento de bônus a executivos e remuneração aos acionistas, além de criar dois comitês independentes para acompanhar providências às vítimas, recuperação da área e apuração. Veja

Ações da Vale despencam em leilão pré-abertura do mercado após tragédia em Brumadinho
Divulgação/Presidência da Republica
Ações da Vale despencam em leilão pré-abertura do mercado após tragédia em Brumadinho

As ações da Vale operam em forte queda no leilão de pré-abertura do mercado nesta segunda-feira (28), após a tragédia em Brumadinho . Na última sexta-feira (25), a Bolsa brasileira não operou por conta do feriado municipal em São Paulo, e as ações da mineradora negociadas nos Estados Unidos fecharam em queda de 8%, vendidas a US$ 13,66.

Leia também: Ações da Vale nos EUA caem mais de 10% após rompimento de barragem em Brumadinho

Hoje (28), a empresa anunciou a suspensão do pagamento de bônus de executivos e remuneração a acionistas (denominados juros sobre o capital próprio e dividendos), além de criar dois comitês independentes, "coordenados e compostos por maioria de membros externos" para acompanhar a tragédia em Brumadinho .

O primeiro terá a responsabilidade de acompanhar as providências destinadas à assistência às vítimas e recuperação da área atingida pelo desastre, enquanto o segundo será dedicado a apurar as causas e responsabilidades pelo rompimento da barragem . Embora compostos por maioria de membros externos, os nomes dos integrantes dos comitês serão indicados pelo conselho da Vale.

Em dezembro do ano passado, a Vale  estimava em US$ 4 bilhões (cerca de R$ 15 bilhões) a média anual da remuneração mínima aos acionistas para o período entre 2019 a 2021, mas a tragédia pode afetar esses valores.

Leia também: Ministério Público do Trabalho fala em negligência e diz avaliar caso Brumadinho

Confira a íntegra do anúncio de medidas da Vale após tragédia em Brumadinho

Fabio Schvartsman, presidente da Vale, já se reuniu com o conselho e definiu medidas após tragédia em Brumadinho
Divulgação/Vale
Fabio Schvartsman, presidente da Vale, já se reuniu com o conselho e definiu medidas após tragédia em Brumadinho

"Em função do rompimento da Barragem I da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), a Vale informa que o Conselho de Administração, em reunião extraordinária, no dia 27.01.2019, deliberou as seguintes medidas de governança:

Com fundamento no Art. 15, §1º do Estatuto Social, constituiu dois Comitês Independentes de Assessoramento Extraordinário (“CIAE”) ao Conselho de Administração, coordenados e compostos por maioria de membros externos, independentes, de reputação ilibada e com experiência nos temas de que se ocuparão, a serem indicadas pelo Conselho.

O primeiro Comitê Independente será dedicado ao acompanhamento das providências destinadas à assistência às vítimas e à recuperação da área atingida pelo rompimento da barragem, de modo a assegurar que serão empregados todos os recursos necessários – “CIAE de Apoio e Reparação”.

O segundo Comitê Independente será dedicado à apuração das causas e responsabilidades pelo rompimento da barragem – “CIAE de Apuração”.

Adicionalmente, deliberou as seguintes mudanças no sistema de remuneração e incentivos:
(i)A suspensão da Política de Remuneração aos Acionistas e, consequentemente, o não pagamento de dividendos e juros sobre o capital próprio, bem como qualquer outra deliberação sobre recompra de ações de sua própria emissão; e (ii)Suspensão do pagamento de remuneração variável aos executivos.

O Conselho de Administração permanece em prontidão e acompanhando a evolução dos eventos relativos ao rompimento da barragem e tomará as medidas adicionais necessárias."

Leia também: Bloqueio nas contas da Vale já chega a 45% do caixa; valor ainda deve aumentar

Até o momento, a Justiça já bloqueou 11% das ações da Vale após a tragédia em Brumadinho. Além disso, o Ibama e o governo do Estado de Minas Gerais aplicaram multas de R$ 250 milhões e R$ 99 milhões à mineradora.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.