Tamanho do texto

Segundo investigações, as empresas cobraram por produtos e serviços nunca solicitados pelos clientes, além de induzi-los ao erro com anúncios rasos

Segundo investigação do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), as três empresas entregaram produtos e serviços diferentes dos que foram efetivamente oferecidos aos clientes
Futura Press
Segundo investigação do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), as três empresas entregaram produtos e serviços diferentes dos que foram efetivamente oferecidos aos clientes

O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, multou a Oi, a Claro e a Vivo no valor de R$ 9,3 milhões por infringirem direitos do consumidor previstos na lei. As empresas ainda têm direito de recorrer administrativamente da decisão.

Leia também: Reclamações sobre serviços de telecomunicações caem 15,6% no 1º semestre

De acordo com o DPDC, as companhias violaram o Código de Defesa do Consumidor (CDC) nos chamados serviços de valor adicionado, como notícias por SMS, músicas e antivírus, por exemplo. As empresas também entregaram produtos e serviços diferentes dos que foram efetivamente oferecidos aos consumidores.

Durante a investigação, ainda foi verificado que as empresas cobraram por serviços e produtos nunca solicitados pelos consumidores. Para o DPDC, Oi, Claro e Vivo induziam os usuários a erro “com anúncios que não destacavam aspectos essenciais do serviço" e que, desta forma, não forneciam elementos suficientes para que o consumidor entendesse o que estava comprando e pelo quê seria cobrado.

As contratações desses serviços ocorriam sem o consentimento prévio efetivamente informado pelo cliente. Essa medida, segundo o órgão, é essencial para caracterizar a vontade legítima por parte do consumidor de contratar um serviço.

Leia também: Preço da internet no Brasil subiu em 2017 após seis anos de queda, diz Anatel

Em resposta, as operadoras de telefonia argumentaram que outras empresas foram responsáveis por disponibilizar os serviços de valores adicionados. No entanto, de acordo com Ana Carolina Caram, diretora do DPDC, “o Código de Defesa do Consumidor estabelece que todos os fornecedores respondem solidariamente pela prestação dos serviços e pelos danos daí advindos para os consumidores”.

Agora as empresas têm 30 dias para o pagamento das multas. O DPDC também decidiu que as três devem “cessar imediatamente a prática de fornecimento de serviços de valores adicionais sem o prévio e expresso consentimento do consumidor, bem como a cobrança por serviços não solicitados pelo consumidor”.

É a maior multa já aplicada na história do DPDC, segundo divulgou a assessoria do órgão nesta quarta-feira (12).

À Agência Brasil, a Oi disse que ainda não foi notificada da decisão do DPDC e não fez outro comentário sobre as violações ao Código de Defesa do Consumidor
Reprodução
À Agência Brasil, a Oi disse que ainda não foi notificada da decisão do DPDC e não fez outro comentário sobre as violações ao Código de Defesa do Consumidor


» Outro lado

À Agência Brasil , a Vivo informou que ainda não foi notificada e que, tão logo tenha o teor oficial da decisão, tomará as medidas cabíveis.

A Oi também disse que ainda não foi notificada da decisão e não fez outro comentário.

Leia também: Brasil perde linhas de telefone fixo, celular e contratos de TV por assinatura

A Agência Brasil também entrou em contato com a Claro. Segundo a empresa, a sanção se refere a casos isolados de violação dos direitos do consumidor registrados no Tocantins em 2009, e que avalia recorrer da decisão.


*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.