Brasil Econômico

undefined
Reprodução
Grupo Abril entrou com pedido de recuperação judicial nesta quarta-feira (15) após ter demitido centenas de funcionários na semana passada

O Grupo Abril, um dos maiores e mais tradicionais grupos de comunicação do Brasil, entrou com pedido de recuperação judicial nesta quarta-feira (15). Em nota oficial, o grupo comunicou que "esse movimento se deve à necessidade do grupo em buscar proteção judicial para a repactuação de seu passivo junto a bancos e fornecedores e, dessa forma, garantir sua continuidade operacional".

Leia também: Banco Central aprova aquisição da XP Investimentos pelo Itaú

O pedido foi protocolado na vara de recuperação judicial e falências de São Paulo e engloba todas as companhias do Grupo, incluindo a Abril Comunicações e as empresas de distribuição de publicações agrupadas dentro da Dipar Participações, e de distribuição de encomendas Tex Courier.

No comunicado, a empresa fez questão de ressaltar que o recurso está previsto em lei e afirmou que o processo que levou o grupo a acumular uma dívida de R$ 1,6 bilhão se deve a "uma profunda transformação tecnológica que afetou fortemente empresas de mídia, no Brasil e no mundo, com impacto na circulação de revistas e na receita de publicidade."

Agora que o pedido foi protocolado, se aceito pela justiça de São Paulo, com base numa série de documentos que devem ser anexados, incluindo o balanço dos últimos três anos, a companhia deverá começar a ser supervisionada por um administrador judicial.

A partir desse momento, a dívida da empresa é congelada e a ela passa a ter 180 dias sem que possa ser acionada por credores na justiça e 60 dias para apresentar um plano de pagamento a esses credores, o chamado plano de recuperação judicial.

Uma vez estabelecido esse plano, a empresa deve conseguir aprovação da maioria dos credores envolvidos em cada uma das classes (trabalhista; com garantial real; sem garantia; micro e pequenos empreendedores;) e então passar a cumprir o plano de pagamento do novo valor negociado. Se a empresa cumprir o acordo por pelo menos dois anos, só então sai do processo de recuperação judicial.

Recuperação judicial é resultado de vários problemas

undefined
Reprodução
Grupo Abril pediu recuperação judicial após anos acumulando prejuízos

O processo que culminou no pedido de recuperação judicial do Grupo Abril é longo. Apenas no ano passado, a Abril Comunicações e suas empresas controladas registraram prejuízo de R$ 331,6 milhões. No ano anterior, o prejuízo registrado foi de R$ 137,8 milhões. No mesmo intervalo, o patrimônio líquido negativo passou de R$ 412,2 milhões para R$ 715,9 milhões, apenas no braço de conteúdo da companhia.

Leia também: Lucro líquido do BNDES cresce 253,9% no primeiro semestre

Para tentar solucionar os problemas, o Grupo Abril, que sempre foi administrado pela família Civita desde a sua fundação, passou o controle operacional da companhia para o executivo Marcos Haaland, sócio da consultoria internacional Alvarez & Marsal, contratada para conduzir o processo de reestruturação operacional da empresa, no último dia 19 de julho.

No comando da Abril, Haaland implementou medidas de redução de despesas que incluíram a redução drástica do quadro de funcionários e a interrupção da publicação de algumas revistas.

Na semana passada, cerca de 800 funcionários, na sua maioria jornalistas, foram demitidos. A empresa não confirmou os números exatos. Além disso, a Abril também anunciou o encerramento definitivo de vários títulos: Arquitetura e Construção, Boa Forma, Casa Cláudia, Cosmopolitan Nova, Elle e Minha Casa.

Outros, como: Quatro Rodas, Claudia, Saúde, Viagem e Turismo, Você S/A, Você RH, Guia do Estudante, Capricho, M de Mulher, VIP e Placar devem continuar apenas no digital. Segundo a empresa, esses títulos, somados a Veja, Veja São Paulo, Exame e Superinteressante somam uma audiência de 15 milhões de usuários únicos por mês em seus websites e 5,2 milhões de assinantes das versões impressas e digital, por mês.

Na nota oficial, a Abril afirmou que "vem se ajustando a essa nova realidade através da redução de custos e despesas. Recentemente, promoveu uma ampla adequação de seu portifólio de produtos buscando um equilíbrio econômico-financeiro".

Porém, "uma situação de instabilidade junto a seus credores e ações abruptas de restrição de seu capital de giro levaram o grupo a seguir pelo caminho da proteção judicial." Antes de encerrar, a nota oficial ainda afirma que "a Abril reforça que continuará operando normalmente e fornecendo a seus leitores produtos de alta qualidade editorial, em compromisso com sua história na imprensa brasileira e em respeito aos seus públicos e parceiros".

Em entrevista à revista Exame , Marcos Haaland, por sua vez, declarou que não tem previsão de ter a necessidade de realizar novas demissões dentro do quadro dos atuais 3.000 funcionários da empresa, porém será necessário fazer "um redesenho da companhia para os desafios tecnológicos". Já em relação às contratações para repor os demitidos, ele declarou que "vão se dar conforme o novo modelo a ser desenhado, que vai dizer onde a empresa deve investir".

Leia também: Lucro líquido do BNDES cresce 253,9% no primeiro semestre

O executivo, no entanto, adiantou que a empresa vai precisar "investir mais no digital, mas não no curto prazo". Por enquanto, o objetivo da companhia é encontrar um "equilíbrio operacional" para que a Abril consiga atingir, num curto prazo, "um superávit operacional", o que não evitou a necessidade de pedir recuperação judicial .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários