Segundo Dyogo Oliveira, presidente do BNDES, o resultado obtido no semestre vem de “uma composição salutar de diferentes áreas do banco”
Agência Brasil
Segundo Dyogo Oliveira, presidente do BNDES, o resultado obtido no semestre vem de “uma composição salutar de diferentes áreas do banco”

No primeiro semestre de 2018, o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) registrou lucro líquido de R$ 4,760 bilhões. O resultado é o melhor para o período desde 2014 e representa um acréscimo de 253,9% em relação aos seis primeiros meses de 2017 (R$ 1,345 bilhão).

Leia também: Estimativa para a inflação sobe e chega a 4,15%, aponta Boletim Focus

Segundo Dyogo Oliveira, presidente do BNDES , o resultado obtido no semestre vem de “uma composição salutar de diferentes áreas do banco”: a intermediação financeira, que ficou em R$ 6,5 bilhões; o resultado bruto com participações societárias na instituição, R$ 4,1 bilhões; e a redução de R$ 4,69 bilhões da despesa com provisão para risco de crédito.

Paralelamente, a inadimplência do banco acima de 90 dias apresentou queda no período, saindo de 2,08% em dezembro de 2017 para 1,45% em junho de 2018. Oliveira destacou que o nível é menor que a média do sistema financeiro nacional, que está um pouco acima de 3%.

No primeiro semestre, o total de ativos caiu de R$ 867 bilhões em dezembro do ano passado para R$ 834 bilhões em junho de 2018. Segundo o presidente do banco, isso aconteceu por causa de um pagamento de R$ 60 bilhões ao Tesouro Nacional .

Leia também: Banco Central aprova aquisição da XP Investimentos pelo Itaú

Você viu?

“À medida que formos pagando [o Tesouro], os ativos do BNDES vão se reduzindo, o que não significa uma piora dos indicadores financeiros”, explica Oliveira.

No segundo semestre, o banco ainda vai restituir mais R$ 70 bilhões ao Tesouro Nacional.

O segundo semestre do BNDES

“Estamos fazendo um grande esforço de redução de tempo para contratação de operações dentro do BNDES
Shutterstock
“Estamos fazendo um grande esforço de redução de tempo para contratação de operações dentro do BNDES", afirmou Dyogo Oliveira

Para o final do ano, as expectativas de Oliveira são otimistas. “[As perspectivas são] Boas porque acreditamos que o provisionamento para risco de crédito continuará baixo no segundo semestre”, explicou.

Leia também: Reforma tributária: próximo presidente encontrará texto pronto para votar

O presidente ainda completou: “Estamos fazendo um grande esforço de redução de tempo para contratação de operações dentro do BNDES , desburocratizando as áreas, e isso deve resultar em um volume maior de desembolsos e contratações ao longo do ano”.


*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários