Tamanho do texto

Além das cervejas Belorizontina e Capixaba, seis outras marcas da Backer estão contaminadas pelo dietilenoglicol, afirma Ministério da Agricultura

fábrica da Backer arrow-options
Divulgação
Mais seis rótulos da Backer estão contaminados por substância tóxica, confirma Mapa

O Ministério da Agricultura e Abastecimento (Mapa) afirmou na tarde desta quinta-feira (16) que análises confirmaram que oito rótulos da Cervejaria Backer estão contaminados com a substância tóxica dietilenoglicou, seis além da Belorizontina e da Capixaba . A substância foi encontrada em 21 lotes diferentes. 

Polícia investiga quarta morte por intoxicação causada por cerveja em MG

 As cervejas que também tiveram lotes contaminados são: 

  • Capitão Senra,
  • Pele Vermelha,
  • Fargo 46,
  • Backer Pilsen,
  • Brown e
  • Backer D2.

O Mapa reiterou por nota que todos os produtos da cervejaria Backer  já estavam e continuam sendo retirados do mercado . O recolhimento está sendo realizado por ações dos serviços de fiscalização e pela própria empresa.

Operação no fornecedor

A Polícia Civil de Minas Gerais realizou nesta quinta-feira (16) uma operação de busca e apreensão no galpão da Imperquímicos, empresa de produtos químicos, que forneceu monoetilenoglicol à Cervejaria Backer.  O galpão fica em Contagem, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte.

Perícia encontra substância tóxica na água utilizada pela cervejaria Backer

 O delegado Flávio Grossi, que lidera a operação, afirmou que os materiais apreendidos serão utilizados nas investigações do caso . “Estivemos aqui hoje recolhendo amostras, documentos, dando continuidade à operação. São produtos que envolvem toda a cadeia investigativa, da contaminação inclusive”, disse.

O Conselho Regional de Química enviou representantes à operação na Imperquímicos. A entidade informou que após os casos de intoxicação pelas substâncias dietilenoglicol e monoetilenoglicol, abriu um processo administrativo  e que a ação desta quinta-feira (16),  faz parte desse processo.