Análises feitas mostraram que a contaminação não estava restrita a apenas um tanque
undefined
Análises feitas mostraram que a contaminação não estava restrita a apenas um tanque

A água usada diretamente na fabricação das cervejas da Backer está contaminada por dietilenoglicol. É o que constatou a auditoria feita pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) na fábrica da cervejaria. A informação foi dada em coletiva de imprensa na tarde desta quarta-feira (15), pelo coordenador-geral de Vinhos e Bebidas do Mapa, Carlos Vitor Müller.

O resultado aumenta a suspeita de que outros rótulos da empresa, e não somente a Belorizontina, possam estar contaminados. Ainda não há resultado dos exames de outras cervejas.

Cidade mineira confirma morte de mulher que ingeriu a cerveja Belorizontina

Segundo Muller, análises feitas mostraram que a contaminação não estava restrita a apenas um tanque, e sim diversos. Com isso os técnicos do Mapa passaram a trabalhar com a possibilidade de uma intoxicação anterior ao processo de fermentação.

"A gente conseguiu evidenciar que a água que tem contaminação com glicol está sendo utilizada no processo cervejeiro. A gente não consegue ainda afirmar efetivamente de que forma ocorre essa contaminação desse tanque de água gelada, se é no tanque de água gelada ou se é em uma etapa anterior a esse tanque, nenhuma hipótese pode ser descartada nesse momento", afirmou Müller em entrevista à imprensa na sede do ministério.

Sobe para 17 o número de casos de intoxicação por cerveja contaminada

Ele que explicou que essa água contaminada é utilizada para misturar os ingredientes e só depois o líquido vai para o tanque de fermentação. No entanto, a pasta não sabe ainda como se deu essa contaminação.

"A gente encontrou essa água contaminada no processo produtivo e existem diversas hipóteses, já que o produto era usado no resfriamento e não deveria ter contato com a água. Não podemos falar em suspeitas maiores, mas há hipótese de sabotagem, de uso incorreto do insumo, de vazamento", afirmou. Especialistas do Mapa periciam a fábrica da Backer desde a última quinta-feira (9).

Polícia Civil confirma segunda morte associada ao consumo de cerveja

A Polícia Civil de Minas Gerais confirmou nesta quarta-feira (15) a morte de um paciente que estava internado com sintomas da síndrome neufronal, que teria sido causada pelo consumo da cerveja Belorizontina.

Você viu?

Cidade mineira confirma morte de mulher que ingeriu a cerveja Belorizontina

 O corpo da vítima da Belorizontina , que estava hospitalizada em Belo Horizonte, no CTI do Mater Dei, será encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) nas próximas horas, onde passará por exames e procedimentos de perícia.

Segundo a última nota divulgada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), 17 pacientes internados com a doença em todo o estado de Minas Gerais. Com a confirmação do segundo óbito, o número deverá cair, caso novos casos não sejam notificados.

Polícia e Ministério da Agricultura voltam à Backer nesta terça-feira (14)

Além das duas mortes já confirmadas com sintomas da síndrome neufrenal, há um terceiro possível óbito que pode estar ligado à doença em Minas. Nesta terça, a prefeitura de Pompéu, na região central do Estado, emitiu nota a respeito da suspeita de que uma moradora do município, de 60 anos, teria morrido em 28 de dezembro com os sintomas. A Polícia Civil diz que o caso ainda não chegou para investigação

Procon - São Paulo

Considerando as notícias de contaminação de lotes de c ervejas Belorizontina comercializadas pela Cervejaria Backer, o Procon de SP notificou a empresa para que esclareça sobre a comercialização de seus produtos a consumidores do estado.

De acordo com o órgão fiscalizador, a cervejaria deverá informar se efetuou a venda de produtos dos lotes identificados com defeito (bebidas contaminadas) , assim como outros produtos da marca, para distribuidores, supermercados, atacadistas ou outros estabelecimentos comerciais localizados em São Paulo. 

Também deverá informar em qual quantidade; e se vendeu diretamente -- por meio de loja física ou virtual -- produtos da marca, inclusive dos lotes identificados com defeito.

Foi solicitado também que a empresa esclareça como fará o contato e como será a política de recolhimento dos produtos e a restituição de valores para consumidores residentes no estado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários