Biscoito com larvas estava dentro do prazo de validade que vencia em junho de 2020
shutterstock
Biscoito com larvas estava dentro do prazo de validade que vencia em junho de 2020

Uma consumidora de Brasília deve ser indenizada em R$ 5.000 por danos morais pela Bauducco por decisão da  6º Juizado Especial Cível de Brasília do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) .

A autora do processo encontrou larvas vivas em um pacote de biscoito fabricado pela empresa e chegou a consumir o produto antes de perceber as larvas. As informações foram divulgadas pelo TJDFT na última sexta-feira (10) e cabe recurso à decisão.  

Consumidor encontra verme em biscoito da Bauducco; assista ao vídeo

 No relato, ela afirma que adquiriu o pacote de biscoitos em 2 de setembro do ano passado  e ao consumir o produto percebeu que estava com gosto estranho. Ao analisar o conteúdo do pacote, notou a presença de larvas vivas.

A consumidora ressaltou no processo que o produto estava dentro do prazo de validade e que a ingestão causou grande mal estar. Ao final da petição, a autora solicitou a reparação pelos danos morais suportados.

Homem come fondue com barata e restaurante terá de indenizá-lo

Devidamente citada, a empresa apresentou contestação na qual sustenta que a parte autora não provou que ingeriu o produto e que, mesmo que tivesse ingerido, não provou que o produto lhe fez mal.

Você viu?

A Bauducco também argumentou que a autora não demonstrou que a embalagem estava conservada em local apropriado e que a fabricação dos produtos passa por rigoroso processo de qualidade.

Decisão

Ao analisar a demanda, a juíza Marília de Ávila e Silva Sampaio que assina a sentença, observou que, a fim de comprovar a presença de larvas vivas no pacote de biscoitos adquirido, a autora juntou aos autos fotos e vídeos , que também demonstram a data de validade do alimento: 4 de junho de 2020. 

Fábrica da Coca-Cola é condenada a pagar R$ 4 mil por "gosma" em refrigerante

 “O pacote está pela metade, sendo verossímil a narrativa de que houve a ingestão do alimento. Logo, havendo a comprovação documental da presença de larvas, resta caracterizado o defeito do produto (art. 12 do CDC), que expõe o consumidor a risco concreto de dano à saúde e segurança, com infringência ao dever legal dirigido ao fornecedor (art. 8º do CDC)", afirma.

A magistrada conclui que "assim, fica evidenciado o dever de indenizar a título de danos morais”.

A juíza ainda acrescentou “que há evidente ato ilícito do fabricante em oferecer produto impróprio ao consumo humano, pois o dano consistente no mal-estar sofrido pela autora ao encontrar larva viva no alimento que estava consumindo, além de ter ingerido o produto, caracteriza o potencial risco à saúde, razão pela qual remanesce o dever de indenizar”.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários