Tamanho do texto

No mundo corporativo há lideranças e colegas com perfis diferentes que podem valorizar ou não seu trabalho; saiba como separar o joio do trigo

Você já parou para refletir para onde tem direcionado seus pensamentos, sua energia, sentimentos, ações e seus resultados na empresa onde atua?

Acredito que algumas pessoas vivam ansiosas, infelizes e estressadas, pois investem energia onde não obtém retorno. Tudo é uma questão de escolhas. Nesse quadro, infelizmente, temos brigas desnecessárias, revoltas cotidianas com o mundo, política, fofocas maldosas, consumo constantemente programas sensacionalistas, etc.

Direcione sua energia para seus objetivos, metas e sonhos. Não gaste tempo com aquilo que não lhe acrescenta
shutterstock
Direcione sua energia para seus objetivos, metas e sonhos. Não gaste tempo com aquilo que não lhe acrescenta

Somos responsáveis pelo que consumimos, lemos, vemos e também pelas pessoas que nos circundam. Assim como os amigos, os líderes e colegas de trabalho nos motivam, elevam a nossa autoestima e nos inspiram. Mas também existem profissionais que vivem constantemente reclamando, insatisfeitos com tudo e todos e não poupam críticas a ninguém e nem mesmo à empresa onde trabalham. Neste caso, temos dois perfis profissionais: os nutridores e os drenadores. A escolha de investir a energia nesta relação e tomar como exemplo é apenas sua. 

Devemos saber lidar com todo tipo de gente, o que é uma premissa da inteligência emocional. Mas isso não significa que uma pessoa deve investir seu tempo, energia, afeto a quem não vai elevá-la como pessoa e como profissional. Isto não tem a ver com relações de interesse, mas a escolha de pessoas que exaltem nossas competências.

Outro exemplo pode ser pautado pelo consumo. Ao ligar a televisão e escolher o programa que você vai assistir, por exemplo, você toma uma atitude totalmente consciente. Então, eu sugiro que escolha algo que te ensine, estimule, divirta e descontraia.

Cada situação que vivenciamos liberam substâncias positivas em nosso cérebro, que podem ser prazerosas ou não. Partindo deste princípio, escolha o que lhe faz bem. Direcione sua energia para seus objetivos, metas e sonhos. Não gaste tempo e nem energia com aquilo que não lhe acrescenta ou com quem não lhe faça uma pessoa ou um profissional melhor. Se aquele projeto não lhe der retorno em nenhum aspecto, então, é hora de abortá-lo. Simples assim.

Algumas pessoas reclamam muito das empresas, do País, da família, mas não se comprometem consigo. Não param e pensam que são responsáveis por si e pelos seus resultados.

Se você anda cansado, sem ânimo ou sem muita vontade de fazer as coisas este é o momento de criar uma lista com as situações/pessoas que estão drenando sua energia/motivação.

Todo processo de mudança começa com a consciência. Partindo disso, eu sugiro criar lista com duas colunas: o que ou quem nutre a minha energia/ O que ou quem drena minha energia.

Após localizar estes pontos e pessoas, pergunte-se:

Qual atitude eu possa fazer para amenizar esta ação/pessoa da minha vida ?

Escreva a estratégia ao lado e o prazo. É importante ter o comprometimento consigo mesmo, especialmente em processos de mudança. Também liste as pessoas e profissionais que te energizam, e como você poderia estar mais alinhado com elas.

Você pode até fazer a lista na cabeça, mas como treinador de pessoas eu lhe garanto: nada melhor que colocar no papel e organizar as ideias. Não desconsidere também, atividades físicas, alimentação, horas de sono, lugares que frequenta, enfim. E quem sabe realmente avaliar se a empresa que você está atualmente está conectada aos seus valores, propósito, missão e tudo que importa para você. E que lhe fazem mais feliz.

Parar e pensar sobre o que realmente importa e para onde está indo sua energia profissional, é mais do que um ato de consciência. É um ato de amor próprio. Boa sorte.


Leia também:

Como uma atitude refratária pode livrá-lo de armadilhas do mundo corporativo?