Entidades de defesa do consumidor pedem veto a MP que libera crédito consignado a beneficiários do Auxílio Brasil
José Cruz/Agência Brasil
Entidades de defesa do consumidor pedem veto a MP que libera crédito consignado a beneficiários do Auxílio Brasil

Entidades de defesa do consumidor enviaram uma manifestação técnica ao presidente Jair Bolsonaro (PL) pedindo veto à Medida Provisória que aumenta a margem de crédito consignado para empregados celetistas, servidores públicos ativos e inativos e segurados do Regime Geral de Previdência Social e libera a contratação desse tipo de empréstimo  para quem recebe Auxílio Brasil, BPC (Benefício de Prestação Continuada) e Renda Mensal Vitalícia.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Em nota, o Instituto Defesa Coletiva diz que a MP "constitui um verdadeiro desserviço para os consumidores brasileiros, pois seus termos inevitavelmente aumentarão o superendividamento da população brasileira, agravando, ainda mais, a crise socioeconômica que assola o país".

O texto amplia de 35% para 40% a margem de crédito consignado para empregados celetistas, servidores públicos ativos e inativos, pensionistas, militares e empregados públicos. Para aposentados e pensionistas do Regime Geral de Previdência Social, a margem sobe de 40% para 45%. Beneficiários do Auxílio Brasil, BPC e Renda Mensal Vitalícia poderão comprometer até 40% de seus benefícios. 

Em todos os casos, 5% é reservado exclusivamente para operações com cartões de crédito consignado.

Empréstimo consignado é uma modalidade de empréstimo em que as parcelas são descontadas diretamente da folha de salário. Cartões de crédito consignado funcionam como cartões de crédito normais, mas a fatura também é descontada direto do pagamento.

A Medida Provisória já foi aprovada pelo Senado e agora aguarda sanção presidencial.

Segundo as entidades de proteção ao consumidor, a MP deve atingir mais de 52 milhões de pessoas, incluindo os cerca de 30,5 milhões de aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), os 4,8 milhões de beneficiários do BPC e os 17,5 milhões beneficiários do Programa Auxílio Brasil.

"Percebe-se que o público-alvo da norma é composto, especialmente, por pessoas hipervulneráveis, que necessitam de maiores cuidados da sociedade e de políticas públicas mais cautelosas do governo", afirma o Instituto Defesa Coletiva.

"Esta preocupação torna-se ainda mais latente, considerando a baixa instrução do público-alvo dos benefícios de transferência de renda, o que pode acarretar uma avalanche de empréstimos não consentidos, ocasionando o efeito inverso para a economia: o agravamento do superendividamento dos brasileiros", continua.

No documento enviado a Bolsonaro, o órgão e outras entidades dizem que a MP está sendo pensada sem a devida preocupação com o assédio das instituições financeiras, bem como a devida orientação aos consumidores sobre os riscos do superendividamento e sobre a necessidade de contração responsável de crédito.

Além do Instituto Defesa Coletiva, a manifestação técnica é assinada por:

  • Colégio Nacional dos Defensores Públicos Gerais (CONDEGE);
  • PROCONSBRASIL;
  • Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor (BRASILCON);
  • Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor (MPCON);
  • Fórum das Entidades Civis de Defesa do Consumidor (FNECDC);
  • Associação Gaúcha de Procons Municipais (AGPM);
  • Fórum dos Procons Mineiros (FPM);
  • Associação Paulista de Procons (APP).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários