Procon Carioca notifica Light por descumprir lei federal que prevê desconto nas contas e pede redução imediata da energia no Rio
Fernanda Capelli
Procon Carioca notifica Light por descumprir lei federal que prevê desconto nas contas e pede redução imediata da energia no Rio

O Procon Carioca notificou a Light a dar explicações por ainda não ter aplicado o desconto imediato nas contas de luz, como determina a lei federal que prevê que seja devolvido aos consumidores o imposto federal  PIS/Confins cobrado a mais nas tarifas de energia.

De acordo com o Procon, a concessionária tem cinco dias para esclarecer os motivos de não ter cumprido as determinações previstas na lei e por que não informou aos consumidores como e quando será realizada a devolução.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

"É evidente que a não devolução dos valores cobrados indevidamente está gerando vantagem manifestamente excessiva para a concessionária e, consequentemente, o seu enriquecimento ilícito", afirmou o Procon em nota.

O órgão também informou que caso a Light esteja impossibilitada de reduzir as tarifas, 2% do faturamento bruto da empresa deverão ser reservados para o ressarcimento futuro dos consumidores.

O Procon determinou ainda que a concessionária explique como é realizada a cobrança de tarifa elétrica; se ainda há cobrança de ICMS na base de cálculo para incidência do PIS e da Cofins e por quanto tempo a cobrança foi realizada de maneira indevida. A empresa deverá ainda apresentar informações e documentos que comprovem o período, por qual motivo os valores ainda não foram devolvidos, quantos clientes a fornecedora possui na cidade do Rio, quantos clientes fazem jus à devolução dos valores e qual o valor total do crédito a ser devolvido aos consumidores.

Entenda

As distribuidoras de energia têm as tarifas reajustadas anualmente. Isso já aconteceu para diversas distribuidoras neste ano, como no caso da Light e da Enel Rio. Em março, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Eneel) aprovou, para os clientes residenciais (de baixa tensão) da Light, uma alta de 15,53%. Já os clientes residenciais da Enel Distribuição Rio, que atende Niterói, Região dos Lagos e o Norte Fluminense, tiveram uma alta de 17,39%.

Depois desses reajustes, o Congresso Nacional aprovou e o presidente Jair Bolsonaro sancionou uma lei que prevê a devolução do PIS/Confins cobrado a mais de consumidores, parte da ofensiva do governo para reduzir os preços da energia e dos combustíveis, diante da alta da inflação e também da proximidade do período eleitoral.

Para atender a essa lei, a Aneel determinou a revisão das tarifas já aprovadas. Depois da determinação, a Light foi à Justiça para adiar a redução das tarifas, argumentando que a medida só poderia acontecer após audiência pública. Na última terça-feira (12), o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) aceitou o pedido da concessionária, e determinou que a agência adiasse a redução das tarifas.

A decisão não impactou a redução das contas das outras 12 empresas, como a Enel Distribuição Rio, que atende cidades como Niterói, São Gonçalo e municípios da Região dos Lagos e do Norte Fluminense. De acordo com documento obtido pelo EXTRA, a Aneel estima que a revisão tarifária levará a uma queda de 6% nas tarifas dos consumidores residenciais e de 5,68% para os clientes industriais.

Em nota, a Light informou que recebeu a notificação e prestará os esclarecimentos necessários ao órgão.

"Cabe ressaltar ainda que a Light já repassou mais de R$ 1,4 bilhão em créditos de PIS/Cofins para os clientes nos dois últimos ajustes tarifários, evitando, assim, um aumento ainda maior na conta de energia", afirmou a concessionária.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários