Pedro Guimarães, ex-presidente da Caixa
Isac Nóbrega/Presidência
Pedro Guimarães, ex-presidente da Caixa

Além de reformas , a Caixa Econômica Federal pagou seguranças e internet na mansão do ex-presidente do banco, Pedro Guimarães , segundo reportagem do jornal Folha de São Paulo.

Os vigilantes ficam na casa sete dias por semana, 24 horas por dia, com turno de 44 horas semanais. Apenas o presidente da instituição tem esse benefício. 

O contrato com a empresa de segurança Confederal, assinado em 2021, prevê oito seguranças para a presidência do banco ao preço unitário de R$ 11,5 mil, o que representa R$ 91,4 mil por mês. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Segundo o advogado de Guimarães, José Luis Oliveira Lima, a motivação do reforço na segurança foram ameaças direcionadas ao ex-presidente da Caixa. 

"Foi uma deliberação da Caixa por uma questão de segurança do presidente da instituição", disse Oliveira Lima à Folha. 

A Caixa afirmou ao jornal que disponibiliza aparatos de segurança pessoal a empregados e dirigentes "expostos a situação de risco quanto à sua integridade física, em razão do exercício de suas atribuições, por meio de adequada avaliação do grau de criticidade envolvido e da compatibilidade do instrumental necessário à prevenção de incidentes em decorrência desse risco".

Em relação à internet, a Caixa informou que "dada a relevância do cargo, o banco disponibiliza acesso seguro, notebook e celular corporativo à presidência do banco para suas atividades laborais".

O presidente também teria sofrido ataques hacker e, por isso, a relevância de se fornecer internet.

Guimarães é investigado por órgão de controle tanto pelas obras em sua casa, quanto por diversas denúncias de assédio feitas por funcionárias do banco. 

Ele pediu demissão do banco no  final de junho para cuidar de sua defesa.

Guimarães era braço direito do presidente e chegou a ser cotado para vice na chapa de Bolsonaro. As denúncias, portanto, caíram como uma bomba no núcleo de campanha à reeleição, que busca melhorar o desempenho de Bolsonaro entre o eleitorado feminino. 



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários